sábado, 28 de maio de 2016

ASSISTA AO VIVO


CAROS IRMÃOS
Acompanhe nossas transmissões "ao vivo", direto da CASA DE MADÔ
Basta clicar em um dos links abaixo e você irá direto à pagina da transmissão
SEJA BEM VINDO
Aos sábados - O ESPÍRITO EM FOCO, as 9h - obras de Joanna de Angelis
Aos Domingos - Palestra Pública, as 19h30

Atividades do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu - Jales,SP

sexta-feira, 27 de maio de 2016

REFLEXÕES


FALAR OU FAZER

Encontramos no comportamento do homem a estranha postura quase comum, da crítica sistemática.
É notório que o mal existe e não pode ser ignorado, é fato que as distonias que se apresentem atrapalhando a ordem das coisas precisem de providências para serem sanadas, mas o que não é o ideal é que de posse da palavra, pela sua condição de animal falante e inteligente, o homem se torne apenas um denunciador das imperfeições que grassam por toda parte.
A postura de somente falar e nada fazer para auxiliar, tem feito perder belas oportunidades de se colaborar com o engrandecimento de muitas causas.
 Temos visto pessoas que se arvoram como salvadores, como que dotados de ideias que poderiam revolucionar e solucionar aquilo dos quais comentam, porém, não se vê as mesmas criaturas falantes moverem-se para tornar melhor a sociedade nem mesmo os seus membros. Quando se lhes observa a vida, percebe-se a inutilidade da mesma, sem que se possa encontrar consistência nas suas atitudes e sentimentos que possam dar valor ao que propõem como alternativas para os males que enxergam.
Ao se observar os homens bons da humanidade, verifica-se que eles falaram pouco e fizerem muito. Ergueram obras de benemerência e colaboraram com o crescimento do ser humano em todas as suas necessidades, sem alarde, sem gritaria, sem violência, sem tomar o mal nas mãos para resolver o que dizem ser o mal que observam.
Compreendemos que quem deseja efetivamente ajudar a melhorar o mundo, melhorar o ser humano ou melhorar as condições sociais, deve a seu turno, abdicar da crítica contumaz e dedicar-se a colaborar fazendo a sua parte, doando do que possui material e moralmente, sem atribuir culpa a este ou àquele, para que possa ficar em paz com a sua própria consciência por ter feito tudo o que estava ao seu alcance para tornar a sua e a vida do seu semelhante melhor.
  Buscar aprender amar e praticar o amor é a saída para todos os males da humanidade. Respondeu Jesus ao doutor da lei: “Amarás...”
VALE FALAR, MAS MELHOR, É FAZER.
                                      
Autor: Adelvair David   

                                       

segunda-feira, 9 de maio de 2016

REFLEXÕES

O SOFRIMENTO
Não fosse o prosseguimento da vida para além do túmulo, o sofrimento humano não faria qualquer sentido.
Afirmou Jesus: “sois felizes vós que agora chorais, porque rireis”. Estas palavras que parecem um contrassenso nos lábios do mestre não encontrariam nenhuma ressonância no coração do homem se a vida não prosseguisse para além do presente, pois o desmentido seriam os acontecimentos dolorosos de cada dia que se pode ver por todo lado, onde uma grande parcela da humanidade experimenta uma ou quase uma vida inteira de completa penúria.
Ensinam os espíritos venerandos que as palavras de  Jesus são para aqueles que bem suportam os seus males neste mundo, encontrando consolo aqui e na vida espiritual, pois que tiram dos seus ombros o peso consequente das faltas cometidas no passado, assim, podendo programar vidas melhores para o futuro quando retornar ao corpo. Afirmam ainda os seres luminares que o próprio espírito escolhe as provas que deseja suportar, de acordo com a natureza dos erros praticados. Compreende-se então que não é Deus que o castiga, Ele apenas lhe permite resolver o que criou para si mesmo, para que, de consciência livre e mais perfeito, possa ser feliz.
A lamentação, a rebeldia, a raiva da vida e a revolta apenas agravam a situação criando uma atmosfera de negatividade que envolve o homem, trazendo-lhe agonia e desespero.
Somente a resignação ativa alivia o peso da prova. O homem deve buscar a solução dos seus males e não o conformismo, mas consciente de que não é Deus quem o condena, e que será feliz quando se livrar do mal edificando o bem para si e para o seu semelhante, consequentemente para sua própria vida.
NÃO SOMOS VÍTIMA DA VIDA, SOMOS CONSTRUTORES DE NOSSO PRÓPRIO DESTINO, COM O AMPARO E O AMOR DEUS NOS AJUDANDO SEMPRE.

Autor: Adelvair David