terça-feira, 24 de novembro de 2015

REFLEXÕES

AMBIENTE ÍNTIMO
Asseverou Jesus a Bartolomeu “tende bom ânimo”, aconselhando a uma nobre postura que o espírito humano pode ter em relação à própria vida.
Pode-se enfrentar muita coisa neste mundo, mas o maior enfrentamento é o íntimo, onde a criatura encontra-se consigo mesma e vê-se como é. Mesmo que todos a reconheçam como valorosa e nobre, se ela não o for verdadeiramente nos seus sentimentos, nenhum sentido fará as honras que lhe prestem.
Certa feita, uma dessas pessoas muito queridas na sociedade nos disse, para nossa surpresa, que se sentia como se houvera despencado e estivesse em queda livre num despenhadeiro, e não importava o que fizesse não podia deter o voo descendente.
Por isso, é prudente observar o que se está armazenando no coração, pois é possível lidar-se bem com uma coisa sem aceita-la, administrar problemas sem compreendê-los, e isto pouca valia terá. Como na vida tudo tem um sentido, especialmente o da educação dos sentimentos do homem, as suas provas serão sempre para atender a um programa de melhoria espiritual, escolhidas antes do seu mergulho no corpo físico, que precisa ser aceito de bom grado.
Existem criaturas outras que se vangloriam de colecionar amarguras e falam pesarosamente sobre elas. Outras orgulham-se dos seus ressentimentos, das suas insatisfações em relação à própria vida e às pessoas, tornando-se “persona non grata” para os que lhes ouvem os insistentes desabafos, como discos furados sem solução de continuidade.
Provavelmente quem guarda lixos emocionais muito bem justificados pelo orgulho, agasalha serpentes sob o cobertor para lhe picar. Com o tempo, cansada e envenenada pela luta revoltada da vida, a pessoa se torna triste e sem brilho, desdenhando a sua e a vida de todos, transformando-se em faladores inveterados sem noção do que dizem ou críticos de tudo, pelo simples prazer de lançar azedume, porque não veem na vida qualquer sentido.
Compreendemos que a melhor escolha é a de cultivar um ambiente íntimo de alegria e esperança. Ser o mais consciente e pacifico possível, aceitar sem revolta e fazendo o melhor que se possa para solucionar tudo o que lhe diga respeito.
ILUMINEMOS NOSSOS AMBIENTES ÍNTIMOS COM A LUZ QUE "ELE" PROPÔS, A DO AMOR.
Autor: Adelvair David  - publicado no jornal Folha Noroeste da cidade de Jales,SP.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

REFLEXÕES

DESAFIOS OU ESFORÇOS?
Muito se fala em desafios nestes tempos atuais.
É bom meditar-se a respeito. A maquinaria emocional humana, tem como pressuposto reagir aos estímulos da forma como os entende. Os desafios propriamente falando, seriam os impositivos oferecidos pela vida, situações que surgem sem que nada se tenha feito para adquiri-los, situações que aparecem inusitadamente e que mexem com os sentimentos provocando um necessário posicionamento.
Muita vez, e isto não é tão incomum assim, o que o homem chama de desafio nada mais é do que situações ou emoções que lhe surgem na ordem normal das coisas e que a sua falta de estrutura emocional, material e espiritual faz com que não esteja tão disposto assim em solucioná-los, havendo uma tendência natural em a natureza humana de se buscar o que é o mais cômodo, mais tranquilo e menos dispendioso em todos os sentidos para não se sair de certa zona de conforto, até certo ponto, não tendo de fazer nenhum esforço.
Assim, no cumprimento do dever existencial há lutas onde os sentimentos e potenciais íntimos serão colocados em exercício para a sua evolução, somente assim, mais evoluído, poderá galgar mundos superiores onde aqueles que fizeram seu crescimento poderão desfrutar de um estado de alma de verdadeira felicidade e paz. O desenvolvimento dos valores éticos e morais, poderá se dar de muitas maneiras, mas não são propriamente desafios, são convites para a tarefa de auto iluminação, onde o amor e a caridade deverão compor as suas escolhas conscientes. Ensinou o venerando Senhor: “a cada um será dado segundo as suas obras”.
Os desafios propriamente ditos, serão aqueles onde as suas forças, entendimento e sentimento serão exigidos além da sua compreensão, não sabendo se realmente triunfará no intento. Onde o seu coração é testado no limite da sua resistência e a sua inteligência é potencialmente exigida, assim, desafiado ele terá de reagir para não perecer ante a penúria exigente.
É preciso então cumprir os deveres de cada dia, servir a causa da sua própria vida, sem esmorecer, atender aos compromissos, mesmo sem tantas forças, pois ninguém as tem plenamente, todos estão neste mundo na mesma condição, e necessitarão se dedicar muito para melhorar a existência, sem que com isso se entenda que se está fazendo qualquer coisa de extraordinário.
É PRECISO AMAR O DEVER DE VIVER BEM, PARA O ÈXITO EXISTENCIAL.

Autor: Adelvair David - publicado no Jornal folha Noroeste da regiao de Jales,SP.