terça-feira, 19 de maio de 2015

ACONTECEU!

Aconteceu na CASA DE MADÔ, o 1º SARAU Madô.
Foram momentos de grande alegria que contagiou a todos. As emoções fluíam com facilidade pelos corações diante das apresentações singelas, porém cheias de entusiasmo e encantamento.
A interação dos jovens com os demais trabalhadores da casa, propiciou o  ideal,  a troca de experiências e de contentamento.
Teatros, música, poesias coloriram a nossa noite de 16 de maio de 2015.
   
FIQUE DE OLHO PARA NÃO PERDER O PRÓXIMO
Nossa casa é o GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE
estamos na Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu - Jales-SP.




REFLEXÕES

SABER ESPERAR
A linha que divide o comodismo do saber esperar é tênue.
Há quem atropele as coisas, atirando-se a fazer ou querer aquilo que não é possível no momento. Não estamos falando aqui do esforço que se deva empreender para que as coisas possam acontecer, afinal, nada cai do céu.
É preciso que o homem tenha muita maturidade para saber esperar, ter sensibilidade para não ser indolente e nem precipitado. Dizem os espíritos venerandos em “O livro dos Espíritos”, que na terra, cabe ao homem ser tão feliz quanto lhe seja possível. Isto quer dizer que grande parte das coisas que lhe acontece é decisão sua, busca através de esforços próprios para que a vida aconteça, porém, se depois de ter feito tudo o que estava ao seu alcance, licitamente, dignamente, corretamente, moralmente, será prudente saber esperar o tempo da vida, e isto é muito importante. Existem coisas que só no seu devido momento irão acontecer. O fruto apanhado antes do tempo murcha e estraga não atingindo o que se espera dele.
O homem necessita ir criando mecanismos de compreensão em relação a vida. Deve desenvolver capacidades intelectuais e morais que lhe permitam enxergar o que deve fazer pela sua e pela vida dos semelhantes, de modo que, possa beneficiar-se e também aos seus irmãos.
Quanto ao querer experimentar antecipadamente aquilo para o qual não se está devidamente preparado pode não ser uma boa escolha. Melhor aguardar a consolidação do mérito trabalhando, para que o tempo ao separar o verdadeiro do falso não revele caminhada vazia de quem se aventurou parecer mais do que é. Asseverou Jesus: “...e até o que lhe pareça ter será tirado”. A vida conduz ao seu devido lugar os seus viajantes, para que cada um faça crescimento real e não ilusório. Pode ser que alguns se contentem em parecer, quando o ideal é “ser” para crescer.
A humildade, a honestidade, a paciência, o trabalho, a dedicação são ferramentas de quem deseja verdadeiramente viver. Quem denigre, conspira, mente, dissimula, escreve sentença dolorosa para si mesmo agora, para cumprir a pena depois.
PARA SABER ESPERAR É PRECISO VERDADEIRAMENTE APRENDER A AMAR A SI MESMO E A A TODOS.
Autor: Adelvair David  

REFLEXÕES

BONECOS DE CERA
A maneira como alguém conduz a sua vida pode resultar em um jeito  artificial de ser.
Geralmente, os ambiciosos e não idealistas tendem a serem menos autênticos em relação a sua forma de se comportar com os seus demais.
O desejo de sucesso antecipado, o reconhecimento sem propósito algum, a consideração não conquistada, acaba por transformar em artificial o comportamento de quem quer lograr êxito a qualquer preço. Não tarda em difamar, mentir, desconsiderar, representar para que suas ideias incompletas e superficiais sejam vistas por todos e elogiadas, principalmente, pelos igualmente insensatos.
Somente a sabedoria verdadeira, conquistada nas lutas da vida, nas experiências profundas e na vivência dos bons sentimentos, podem fixar valores que sobrevivem para sempre. A falta de sabor em suas vidas e a indigestão moral que provocam pelo desrespeito com que, polidamente ou não, tratam aqueles com quem convivem ou se relacionam, afastam até mesmo aqueles que com eles se afinam, deixando empoeirada a superfície que recebeu o verniz e não tinha brilho próprio. Afirmou Jesus: “A cada um segundo as suas obras”.
Estes são então os chamados “bonecos de cera”, porque perderam a espontaneidade. É fácil aperceber-lhes o semblante árido, sem vida, o olhar calculado, as expressões puramente mecânicas pretendendo apenas impressionar e não amparar, consolar, auxiliar, conduzir, orientar e verdadeiramente amar.
É prudente aguardar que o tempo consolide através do bom trabalho o aprendizado que dará notícias reais de quem somos. Para o dito “boneco de cera”, a vida reserva o encontro consigo mesmo, sempre doloroso, pela dificuldade depois em conviver intimamente com quem não se conhece, mergulhando, muita vez, em profunda solidão.

SE O OBJETIVO É CONSTRUIR A FELICIDADE NA VIDA, MELHOR É SER E NÃO PARECER.
Autor Adelvair David