REFLEXÕES


MOMENTO CONSCIENCIAL
Um dos maiores atributos da vivência humana é o livre arbítrio, porém, o seu maior aferidor e direcionador é a consciência. Impossível subtrair-se ao seu jugo.
Ela fixa definitivamente na intimidade do homem o que lhe definirá a felicidade ou a desdita. É claridade sobre todas as suas ações, de quem não pode evadir-se; sempre, dentro do nível de maturidade espiritual que possua, ela aparece indicando o que se deve ou não fazer, qual a melhor escolha, qual a decisão mais acertada, seja nas questões materiais, morais e ou espirituais.
Lamentam muitos espíritos já no grande além, terem agido desta ou daquela forma; dizem que deveriam ter resolvido de outra maneira a querela que agora os têm prisioneiros. Sentem-se como animais presos a dimensionada corda, não conseguindo ir além, devido ao impedimento consciencial. Anunciam que em futuros compromissos agirão melhor. Há muita agonia, porém, não há dedo em riste que lhes aponte o mal; a realidade agora não permite esconderijos; as razões são todas veladas. Enganos, parcerias em desalinhos morais e conveniências indignas são gritos no silêncio emocional de cada um, tendo feito despertar a consciência.
O orgulho tem feito perder as melhores oportunidades de crescimento humano; Fascinado por ideias de maioridade moral antecipada, atira-se o homem a caminhos de valorização exterior, encontrando incautos como ele que lhe promove porque lhes são iguais. Cumprir judiciosamente o seu dever é convite urgente da vida. Embora o direito da escolha para se alterar a caminhada, necessário perguntar-se: A tarefa existencial da família, do trabalho, da amizade e da religiosidade fora integramente cumprida? Mesmo que a resposta seja positiva, o que seria uma excepcionalidade há que se saber se nestas tarefas foi alcançada a excelência da doação do amor, como a recomendou Jesus, na dimensão que cada uma delas solicita. A maioria dos seres humanos deseja ser senhor sem ter aprendido primeiro a ser servo. Já alertava o divino amigo: "[...] aquele que quiser tornar-se grande entre vós seja aquele que serve, e o que quiser ser o primeiro dentre vós, seja o vosso servo".
O brilho fictício de se reveste o homem momentaneamente dura pouco e, há seu tempo, aqui ou na vida espiritual revelará a superfície arranhada sem acabamento moral que possa lhe dar descanso emocional; é o chamado momento consciencial que a todos comunicará as vitórias e os fracassos para devidas meditações e posterior resolução. Sendo herdeiro de si mesmo, aí se explicam os vários dramas do homem na Terra.
A caridade, sob qualquer aspecto é caminho iluminado, onde a treva do egoísmo perde o seu reinado.
A CONSCIÊNCIA DEIXA LIVRE AQUELE QUE AMOU, AMA E SE PROPÕE CONTINUAR AMANDO.
Autor: Adelvair David.     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

REFLEXÕES

REFLEXÕES