domingo, 17 de fevereiro de 2013

REFLEXÕES



RECONHECIMENTO
Muitas pessoas passam grande parte de suas vidas concedendo favores para serem respeitadas descobrindo rapidamente que não o são.
Adquirem o hábito de tomar a defesa de alguns que subvertem a ordem, de outros que não gostam de cumprir deveres, ou ainda daqueles que mesmo desconhecendo o contexto criticam os que se dedicam a realizar. Costumam fazer destes os seus possíveis aliados de quem pretendem se utilizar depois; acreditam que conseguirão colocar seus planos nada éticos em prática. Porém, é preciso entender que, em tempo algum os conspiradores, os desertores, os frágeis moralmente puderam ser contados nas fileiras de frente de qualquer empreendimento, seja ele de ordem material ou espiritual.
As construções emocionais da criatura humana podem passar pelos interesses de breve satisfação. Com honrosas exceções, mesmo entre os bem intencionados, se pode identificar sem muito esforço a necessidade de ser aplaudido, de receber algum tipo de compensação, mesmo quando tratamos do assunto filantropia ou algo semelhante; em muitos casos a fragilidade que vai do péssimo conceito que se tem de si mesmo às intenções não tão nobres assim, respondem por este comportamento emocional, onde a pessoa que pouco ou nada possui necessita de um reconhecimento forçado para se sentir melhor, e não o consegue.
Alguém só poderá ser respeitado por manifestar valores melhores, por atender às etapas do seu crescimento com responsabilidade e amor, dando sem objetivar receber. Assim podia-se observar naqueles que tinham os olhos de luz iluminando os caminhos de muitos e os lábios consoladores, propondo sentido de vida aos que o perderam.
Seja como for, o importante não é ser respeitado em qualquer empreitada, mas sim, ser honesto nos seus propósitos, nunca realizando algo apenas para ter-se glória individual. Quando se trabalha no sentido de se adquirir crescimento pessoal, mas com o pensamento no auxílio coletivo, a possibilidade de êxito é maior; os corações bem intencionados sabem reconhecer os verdadeiros detentores de méritos diferenciando-os dos oportunistas.
Qualquer coisa que se construa sob a face de interesses imediatistas e inferiores ou de indiferença às necessidades alheias, redundará em desapontamento e decepção; aquele que aplaude hoje o homem no favoritismo pode abandoná-lo amanhã sem nenhuma motivação para assumir as responsabilidades conclamadas.
SOMENTE AMANDO PODE-SE CRIAR UMA BOA SINTONIA ENTRE QUEM VERDADEIRAMENTE DOA E O QUE NECESSITA RECEBER.
Autor: Adelvair David 

Nenhum comentário: