segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

COMER CARNE OU SER VEGETARIANO, OUÇAMOS O CHICO


A MENSAGEM DA MANJEDOURA



A MENSAGEM DA MANJEDOURA

Eram tempos difíceis aqueles. O homem se debatia, amargurado por uma fé insatisfatória; a crença em Deus à base de sacrifícios não sustentava os anseios dos corações que não compreendiam o seu criador.

O tempo era propício, o cenário da galileia se transformou em mais digno ambiente para o propósito dos céus.

O Pai Supremo não apresentava como solução o Embaixador Celeste com poderes para ferir ou destruir, não haveria castigos, punições, represálias nem qualquer hostilidade, Ele traria o tesouro mais valioso que o mundo já viu, a Boa Nova. Ninguém dela estaria preterido, esquecido, todos os de boa vontade poderiam se fartar até a saciedade.

O ódio de um contra o outro já não encontraria mais significação porque Ele ensinaria a dar a outra face; o perdão das ofensas se tornaria a maior honra que alguém poderia alcançar, desfazendo o mal no seu nascedouro, sem lhe perpetuar as consequências ruins.

A estrebaria se iluminou, luz inexprimível se fez, e Ele nasceu. O Excelso amigo da humanidade, na manjedoura trouxe a lição inesquecível, a mais alta conquista que alguém pode almejar, a de ser humilde.

Os homens bons perceberam a Sua presença e vieram alguns de todos os lados verem o menino, o salvador que traria a mensagem de esperança aos homens.

Com Ele, por aqui, gradativamente se extinguiria a carnificina nos circos romanos, os leprosos não seriam mais esquecidos no vale da imundície para se tornarem os irmãos necessitados do amor verdadeiro de do amparo fraternal.

Assim a lição da manjedoura é a de que possamos nos estender as mãos de generosidade, os sorrisos de simpatia e as palavras de motivação em profunda simplicidade de coração.

Com Ele, necessário nascer novamente para os sentimentos nobres do amor e da compaixão, de maneira a viver como Ele ensinou, renovando-nos e auxiliando na renovação da humanidade.

NATAL! É LIÇÃO DE RENASCIMENTO PARA OS ESPLENDORES DE NOVOS DIAS.

Autor: Adelvair David     

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA

CONVITE

Convidamos a todos para a IX FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
Local: No Saguão de entra do Supermercado Proença em Jales,SP. Sito à Avenida João Amadeu, pertinho da Rodovia SP-320 (Euclides da Cunha, logo na entrada da cidade)
Período: 17 a 23 de dezembro, no horário das 8h as 21 horas (até o fechamento do mercado) somente no domingo que será até o meio dia.
É momento para adquirirmos bons livros a preços promocionais e de presentearmos amigos e irmãos para este Natal do Senhor.
SEJA BEM VINDO, NÓS TE ESPERAMOS COM TODO O CORAÇÃO
informações pelo e-mail: addavid@ig.com.br ou pelo fone: 17-9744.5405 (Ique)






REFLEXÕES



O MEDO DO FIM

Sobretudo em tempos de grande comoção pública, catástrofes ou na iminência delas, o homem pensa com parâmetros limitados incentivado pela insensatez.

É necessário que tudo se renove, por isso, a natureza possui a Lei de Destruição; é o declínio da matéria para dar lugar a outro fenômeno, o da renovação do espírito. A impossibilidade da eternidade no corpo é benção da Lei de Deus, para que o espírito possa recompor-se, reprogramar-se e assim assumir revigorado, em novo corpo, as tarefas de evolução para consigo e para com os seus irmãos, pelos séculos que se enfileiram.

O medo do fim do mundo, da morte, de perder o que se tem, de perder a saúde, o medo de perder os seus afetos são entendimentos que demonstram como é estreito o limite onde se encontra detido o sentimento humano. Acreditando que tudo se encerra no túmulo e sem outras explicações racionais, o mergulho no nada ou no incerto faz com que muitos se tornem incrédulos ou que não se preocupem com tal desfecho, aguardando com comportamentos inapropriados e negativos o que estaria por vir; como dizem alguns: é preciso experimentar de tudo enquanto se está vivo, porque depois, ninguém o sabe... Esta ideia limita a possibilidade do crescimento moral e espiritual do homem, pois se ele não sabe de onde veio, não sabe para onde vai e nem objetivamente o que está fazendo aqui na terra, a vida, o bem, o amor não terão nenhum sentido. Estas indagações permaneceram por muito tempo sem respostas.

Clamam alguns homens que os ensinamentos de Jesus para eles pouco serve, não consola, muito menos dá suporte para o entendimento da vida e seus desafios.

É importante ressaltar que não há nada que se equipare aos ensinamentos de Jesus, jamais será substituído por qualquer outro que possa dar maior sentido. Ele anunciou que no futuro o homem teria condições de receber o consolador que explicaria tudo o que ele estava dizendo e muito mais. Assim, os espíritos, no ano de 1857, com o lançamento de “O Livro dos Espíritos” trouxeram as respostas às indagações humanas, levantando o véu e apresentando as verdades eternas; estudá-las e aplicá-las à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo é aumentar as possibilidades de acerto. Ditados pelos grandes nomes da humanidade é possível compreender e aproveitar melhor a vida para se chegar ao verdadeiro sentido dos ensinamentos de Jesus que é o de promover a transformação moral do homem.

Existirá sim um fim, do velho mundo moral, com seus conceitos equivocados, carcomidos, próprios das instituições dúbias e sem intenções nobres, para dar lugar ao mundo novo, renovado como o preconizou Jesus.

Cada homem neste mundo tem o dever de ser melhor, colaborar para a melhoria daqueles com quem se relaciona e fazendo todo o bem que lhe seja possível, somente assim, o fim deste tempo se abreviará para que nasça a nova era do amor e da Paz.

OS CÉUS ENVIARAM O CONVITE E O CORAÇÃO DE UM HOMEM ENCHEU-SE DE LUZ, NAS MÃOS DO MESTRE LIONÊS, A HUMANIDADE VIU FLORESCER NOVAMENTE A PRESENÇA DE JESUS.
Autor: Adelvair David

domingo, 9 de dezembro de 2012

ACONTECEU!


Nestes dois dias 8 e 9 de dezembro, aconteceu o 9º EEME, encontro de estudo e meditação espírita do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores, foi na chácara do Professor Domingos. 
Com quase que a totalidade dos trabalhadores, um grande número mesmo de comparecimento, tivemos oportunidade de passar momento felizes juntos nos confraternizando e meditando em torno do tema proposto: NAS PEGADAS DE JESUS-conviver para aprender amar, que será o direcionador das atividades para o ano de 2013.
 Com perceptível alegria dos participantes, conversamos sobre as falas do Cristo: “ Não vos inquieteis...”, onde refletimos sobre a queixa - não há razão para a queixa; “Aprendei de mim...” , onde refletimos que os nossos olhos necessitam permanecer direcionados para Deus como sempre estiveram os do Cristo.
 Os espíritos amigos asseveraram que a casa é uma embarcação cujo barqueiro condutor é Jesus, não nos percamos dele, caindo nas águas das ilusões. 
O Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores agradece a participação de todos e que Jesus nos abençoe. 
 David - Departamento de Doutrina

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

REFLEXÕES



AS RAZÕES DO CORAÇÃO

Basta que uma dor se apresente onde quer que seja e logo corações beneméritos estendem a mão em auxílio de alguma forma.

O homem comum não compreende estes movimentos caritativos. O limite estreito onde se detém não lhe permite alcançar as razões que faz com que pessoas desconhecidas se preocupem umas com as outras; que seres que não possuindo quase nada, ainda encontrem algo para dividir.
É o coração humano, que tem suas próprias razões para se importar com o seu semelhante. Estas estão ligadas a uma capacidade natural que pode ser desenvolvida por qualquer pessoa. Assim como os músculos necessitam de exercícios apropriados para atingirem seu desempenho, o coração também deve ser cuidadosamente preparado para percepções mais delicadas, que não exigem força, mas sim sensibilidade.

De todas as experiências humanas, a mais significativa e que traz mais crescimento moral e espiritual, traduzindo de forma efetiva a natureza divina de cada pessoa, é a de conviver nas fronteiras das dificuldades alheias. Ali acontece de tudo; privações, dores, indigências, lágrimas, humilhações e mais... Aquele que se permite servir não será mais o mesmo. Impossível auxiliar uma dor e permanecer enrijecido para as decisões nobres e elevadas da vida. Ocorre sempre um fenômeno muito interessante no coração de quem auxilia, é uma boa inquietação que nasce e aumenta a cada instante, uma ternura que faz com que a lembrança do sofrimento do outro se traduza em lágrimas e se tenha vontade de ir em seu socorro.

Assim, quem procede desta maneira, torna-se instrumento dócil das forças divinas, que através dos seus mensageiros encontram farta disponibilidade, seja ela material e ou espiritual para que a vontade de Deus seja cumprida, a de fazer com que as suas bênçãos chegue até o necessitado.
Aquele que ocupa suas horas atendendo aos convites do coração encontrará sem reservas muitas razões para amar. Se assim não fosse o Senhor Jesus não nos teria dito que a mesma felicidade que desejamos para nós, deveríamos primeiro proporcioná-las ao nosso semelhante. “Ama ao teu próximo como a ti mesmo”.

Que não se preocupe o homem em apresentar suas mãos a serviço do coração, não irá manchá-las como alegam alguns; findando a tarefa, elas estarão mais límpidas e luminosas, sem as nódoas da indiferença e dos crimes do passado. A única coisa que pode prender as mãos do homem, é usá-las para prejudicar o seu semelhante em quem se encarcera até o pagamento do último ceitil moral que deva, assim asseverou Jesus.

Desdobrando o coração em doação, a criatura humana se despirá da presunção e vestirá a humildade, única túnica aceita no reino dos céus.

O CORAÇÃO SEMPRE TERÁ MUITAS RAZÕES PARA AMAR E CONSEQUENTE SER FELIZ.
Autor: Adelvair David