quinta-feira, 30 de agosto de 2012

CONCEITO EQUIVOCADO


Visão incorreta a respeito dos médiuns possuem aqueles que do Espiritismo conhecem apenas as informações e conceitos equivocados, sem estrutura de lógica nem contribuição racional.
Adotando ideias fantasiosas que primam pela ingenuidade da crença no sobrenatural, pensam que os médiuns são seres humanos especiais, portadores de dons e de poderes que os capacitariam a solucionar quaisquer problemas e dificuldades que lhes sejam apresentadas.
Em face dessa óptica distorcida da realidade, envolvem os medianeiros em auréolas de santificação, concedendo-lhes atributos que estão distantes de os possuir.
Diante deles, sentem-se privilegiados, insuflando-lhes paixões morais, filhos torpes do egoísmo que dilacera muitas almas inadvertidas, logo as perturbando e enlouquecendo sob o seu guante.
Como efeito do mesmo desconhecimento, pensam que os sensitivos estão sempre cercados pelos numes tutelares e trazem, em rezão disso, complexos enigmas a todo momento, e irresponsavelmente induzindo-os a elucidações de ocorrências que não poder ser realizadas.
Basta que os vejam, e esses clientes inadvertidos desfilam-lhes o rosário de queixas, de lamentações, descarregando contínuas dificuldades que não estão realmente interessados em solucionar.
[...] Quase nunca lhes oferecem palavras amigas , que supõem eles não necessitarem, sobrecarregando-os com os seus fadários, maus humores e agressividade.
Creem que os servidores da mediunidade encontram-se no mundo para conduzirem os seus fardos.
Se os notam cansados, tristes ou sofridos, decepcionam-se, chocados, indagando onde estão os seus guias espirituais, que os não aliviam?
[...] Percebendo-os irritados nos momentos infelizes, embora o seu incessante júbilo, apresentam-se ofendidos e desconsiderados, apesar de se permitirem a rudeza, a ingratidão e as exigências variadas.
A mediunidade não é uma graça divina, nem um processo adivinhatório, ou ainda recurso mirabolante para saciar a sede das novidades humanas...É uma conquista adquirida através da evolução para o intercâmbio espiritual, para a iluminação de consciências e crescimento espiritual.
[...] O conhecimento do Espiritismo aclara esse conceito incorreto a respeito dos médiuns, assim como de inumeráveis questões que podem ser esclarecidas e desmistizadas, facultando mais amplo entendimento sobre a via e o seu precioso significado.
[...] Precatem-se os bons médiuns, aqueles que se fizeram espíritas, contra o culto ao personalismo, ao egoísmo e a todos os perigos que os cercam, tentando impedi-los de avançar e de crescer interiormente.
Elejam o trabalho de auxílio fraternal como mecanismo de equilíbrio e, estudando a Doutrina para bem compreender a tarefa que lhes cumpre desempenhar, não se olvidem da humildade verdadeira, prosseguindo no afã de autoiluminação.
Autor: Manoel Philomeno de Miranda - Psicografia - Divaldo Pereira Franco - Obra: Mediunidade: Desafios e Bençãos.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

REFLEXÕES



PROPOSTAS
A maravilhosa viagem humana pelos caminhos terrenos é a mais bela movimentação da vida que vem de Deus, em todos os sentidos que se pode conceber.
A gama de experiências a que a humanidade está sujeita é infinita. O criador dotou a Sua criatura, que a princípio simples e ignorante, de capacidades que dormem aguardando os estímulos no tempo certo para serem despertadas; estes mecanismos de evolução interior são infinitos, como as são as estrelas do céu; acordarão lentamente um a um, conforme o contato do aprendiz com as verdades divinas, que lhe proporcionarão o aprendizado profundo.
Entre muitos apontamentos de para onde o homem deve seguir, Ele, o embaixador de Deus para o nosso planeta, esteve aqui mostrando e vivenciando.
A presença de Jesus no orbe terrestre não é apenas a de um espírito superior que fez coisas extraordinárias e deixou uma linda mensagem de amor; é o indicativo do único caminho que se tem para chegar a Deus. Ir ao Pai é alcançar a grandeza de entendimento em relação às coisas celestes como o mestre ensinou, uma visão além da mediocridade de enxergar do homem comum; os servidores do amor de todos os tempos e também destes, o fizeram... Alguns alcançaram muitas destas percepções e se tornaram irradiadores do amor de Deus sem necessitarem possuír nenhuma especialidade religiosa, títulos ou honrarias, mas apenas utilizando o coração como Ele ensinou. Afinal foram Dele, do mestre amoroso as palavras: “quem quiser vir após mim” [...]. Refletindo sobre estas palavras vemos que só existe o “depois Dele”. Muitos homens se atribuem santidade antecipada que só pode verdadeiramente ser conquistada despojando-se de tudo o que possa querer diferenciá-lo dos seus irmãos. Aqueles que se sentem grandes por fora geralmente são muito pequenos por dentro, é o verniz que cobre imperfeitamente a superfície... Um arranhão pode desvelar o que está escondido.
Afirmam os espíritos venerandos que os caminhos que Ele andou estão quase desertos, empoeirados e cheios de pedrouços, e poucos se aventuram a seguir por ele. A mulher desventurada que Ele aconselhou seguiu, e transformou a sua vida.
Nesta experiência humana atual, como já se foram outras e muitas virão, necessário não esquecer que os ensinamentos do Senhor Jesus fundamentou reflexões em torno do sentimento humano, dando a este a maior importância. Ao chamar a atenção, tanto dos Seus discípulos quanto da multidão que o seguia, falou de um reino que não era deste mundo, mas afirmou estar dentro de nós todos. Falou da conduta para não fazermos ao outro o que não gostaríamos que nos fosse feito e que a aquele que tem maior amor é o que tem coragem a de dar a vida pelo seu semelhante. Os desejos e as aspirações humanas devem sempre ser direcionados para se fazer o que se deve não o que se quer, objetivando alcançar o bem futuro e o imediato possível, onde cada criatura se prepara para a conquista da paz e da idealizada felicidade. Aí, assim, onde estiver o homem estará no céu, salvando-se de si mesmo livrando-se das próprias imperfeições.
Urge para todos o tempo de assumir o controle sobre os próprios sentimentos, admitindo os inferiores para melhorá-los e reforçando os melhores para coloca-los a serviço do bem em toda parte.
Quem ninguém se iluda de transferir-se para o controle deste ou daquele que o possa guiar. Cada homem é viajante e também busca o que lhe falta, podendo ser para o outro apenas exemplo do que já conquistou.
A lei de Deus está escrita na consciência, se a anestesiarmos agora, ela acordará amanhã, exigindo reparação.
PROPONDO CONQUISTAR POR DENTRO, O HOMEM SERÁ E FARÁ O OUTRO FELIZ.
Autor: Adelvair David

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

REFLEXÕES


REPENSANDO
Velhos conceitos estão sempre presentes em novos desafios para o entendimento humano.
São necessidades primordiais para o progresso moral e intelectual do “ser” a família, o trabalho, o outro e a religiosidade; jamais será superada a consideração que se possa dar a esses assuntos, sendo de suprema relevância repensar a respeito; os tempos não conseguiram a liberação do homem quanto ao cumprimento dos seus deveres nestes quesitos.
Se o homem conseguiu progressos que lhe facilitam a vida material, por outro lado ainda sofre esmagado pelos problemas que lhe dificultam ou impossibilitam a convivência com o seu semelhante. Ter responsabilidade no trato com o outro, buscar a sua espiritualização, jamais deixará de ser tarefa importante a realizar neste planeta, onde as provas e as expiações o convidam incessantemente à renovação e reconstrução dos seus sentimentos melhores, muito necessários para o êxito existencial.
Embora a sua ilusão aponte para um entendimento diferente, melhor pensar que a família nunca será, neste mundo, uma instituição em desuso; ela voltará a ser motivo de máxima atenção em breve e assumirá o seu verdadeiro papel de preparadora de corações para a experiência social e individual. Através do trabalho o homem desenvolve os seus potenciais adormecidos, fortalecendo o caráter e preparando-se para ser instrumento divino na construção de um novo mundo. No processo de auto entendimento, o saber de si mesmo, isto só será possível através do outro; conhecerá os seus defeitos e virtudes conforme propor-se o contato com os seus irmãos, de quem colherá as impressões necessárias para a sua auto-avaliação, onde então, poderá propor mudanças íntimas verdadeiras. Bom refletir também que o sentimento de religiosidade é que permitirá a permanente comunhão do homem com Deus, conferindo-lhe mais serenidade e confiança na caminhada; conhecer a sua realidade espiritual é ter a oportunidade de evitar muitos males e fazer as coisas com mais consciência.
Enquanto muitos se enchem quando alegam ouvirem sempre os mesmos assuntos retornando nas paisagens humanas, outros ressaltam a importância de se buscar soluções mais efetivas para a erradicação de antigos problemas experimentados pelo homem. O tempo passa e os milagres esperados não acontecem. A modificação do homem virá dele mesmo, das suas lutas, dos seus esforços, da sua dedicação à sua vida e do seu semelhante. Há quem diga que as coisas não mudam; importante lembrar que as conquistas só dependem de um pouco mais de boa vontade, de renúncia, de respeito, de dignidade, de ética e finalmente, um pouquinho mais de amor.
A tecnologia deveria facilitar a vida do homem no mundo das formas e não neutralizá-lo, roubando-lhe a atenção e absorvendo-lhe as energias, necessárias para as vivências mais importantes. O seu aprimoramento por certo acontecerá quando se permitir deixar a zona de conforto pessoal para ampliar o seu modo de olhar; se prestar um pouco de atenção verá a esposa, o marido, os filhos abandonados no circuito do próprio lar, embora convivendo sob o mesmo teto; há muitas relações perecendo por falta de atenção e carinho; corações sofrendo por falta de compreensão, assustados, temerosos pela incerteza do que lhes vai acontecer amanhã, sentem que a sua ligação com o seu ente querido pode desfazer-se a qualquer momento. Olhando mais adiante verá rostos macilentos aguardando um pedaço de pão; crianças desejando entender porque sofrem enquanto outras possuem tudo e podem sorrir; eles não sabem que são vitimas da indiferença individual, de quem sempre deixa para amanhã o momento de servir.
Melhor repensar agora, pois do outro lado da vida o coração dói sem a possibilidade de voltar atrás.
A VIDA PROSSEGUE AGUARDANDO QUE NOS INTERESSEMOS POR ELA... REPENSEMOS.
Autor: Adelvair David

sábado, 11 de agosto de 2012


BOA NOTÍCIA
Caros amigos e irmãos, estaremos realizando mais um JANTAR BENEFICENTE
Será no dia 25 de Agosto de 2012
das 20 as 22 h
Local: Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
Endereço: Rua 19, nº 768, Bairro S. Judas Tadeu, Jales-SP
Pratos: Alcatra ao molho de champignon, Arroz branco, purê de batata gratinada, creme de milho, farofa fria e salada crocante.
VENHA CONFRATERNIZAR CONOSCO
Ingressos à venda com os trabalhadores - ou pelo fone 17-3632.9983 - ou reserve pelo e-mail: addavid@ig.com.br com o David e retire no momento do jantar no mesmo local.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

REFLEXÕES

PERDAS
 A reencarnação pode constituir-se de um grande desafio para o espírito e as forças que se possui nem sempre parecem ser suficientes para os enfrentamentos. 
 O homem leva em conta a crença de que tudo lhe pertence e sofre terrivelmente quando a vida lhe subtrai alguma coisa, com ou sem a sua participação. Prossegue tentando preservar a qualquer custo seus bens, porque desconhece que uma parte do processo lhe diz respeito, e uma outra parte está nos desígnios divinos que sabe quando algo deve ou não permanecer onde está, segundo necessidade e méritos. 
 O único patrimônio efetivo é o do espírito. Vivendo no mundo das formas - ilusão criada para que a alma possa fazer o seu desenvolvimento intelecto moral - é possível experimentar-se muitas sensações e sentimentos, porém, existe um agravante neste processo de existir do lado de cá, que é o de se achar que tudo se resume a isto, que a vida é isto, quando em verdade o que é real nem sempre é palpável, tangível. A vida verdadeira é a vida espiritual, viemos de lá e para lá retornaremos. De tudo quanto se conquista aqui o que segue conosco é o que conseguimos juntar nos recessos da alma. 
 O grande dilema do homem é optar viver considerando o que lhe é abstrato, o que ele não pode tocar e na maioria das vezes não consegue sentir. Porém, as informações provindas dos ensinamentos espirituais de todos os tempos, de Jesus o mestre verdadeiro da humanidade, mais recentemente as verdades reveladas pelo espiritismo anunciam que a vida prossegue e mais pungente do que a mais vibrante experiência que se pode ter do lado de cá, no mundo das formas. A vida espiritual é a única e a real; o que se experimenta como espírito, ao chegar-se do lado de lá, guarda estreita relação com o que se fez em todas as existências corpóreas, ao longo dos milênios. 
 Sentir o mundo espiritual, excluindo-se a capacidade de pessoas que possuem esta abertura de forma mais ostensiva, é poder que todos possuem. A criatura humana deve lembrar-se que é espírito e deve viver como tal, e não como corpo, se dando a qualquer comportamento e sentimento esquecendo-se que este é perecível e vai acabar. Liberto do casulo o ser eterno se projetará na realidade que criou boa ou má, de acordo com o suas obras. A felicidade é o estado que o espírito experimenta do outro lado pela aprovação da consciência e a infelicidade é a desaprovação desta, onde o remorso e a culpa acicatam o coração agora livre dos disfarces físicos, exigindo reparação para posterior libertação.
 É importante lembrar-se desta condição, para que as posses, as conquistas materiais não passem de resultado dos seus esforços criando condições, não só para si, mas também para servir os seus irmãos. Disse-nos o Senhor da vida: “há quem muito foi dado, muito será pedido.” Recursos materiais, apesar de conquistados com os próprios esforços é permissão divina, concedida ao espírito para que ele produza os serviços do amor e possa se redimir de enganos passados ou para conquistar méritos para outras tarefas no futuro. Que ninguém se vanglorie do que possui e muito menos se prenda a isto; nem mesmo o saber é condição de superioridade neste mundo, pois tudo o que pudermos aprender aqui é ínfima parte da realidade verdadeira, é apenas ponto de partida para a evolução que se processará ao longo dos milênios que ainda vão se suceder até a angelitude.
 Para sentir a vida espiritual é preciso não desconsiderar a vida no corpo. Cada pessoa precisa ser supremamente respeitada em seus direitos, e não deve sofrer qualquer prejuízo por nossas ações ou por nossa omissão; como irmãos nos devemos uns aos outros o amparo devido, material, moral ou espiritual. Tudo o que estiver ao alcance do ser, deve este compartilhar em doação real, sem segundas intenções e incondicionalmente. Não existe alguém que não tenha nada para doar, ou não possua condições de fazer algo por alguém. A boa vontade, o bom ânimo asseverado por Jesus deve vir à frente de todas as decisões na convivência humana. Só este tesouro acompanhará o espírito para a vida maior, nada, nada mesmo do que o representa neste mundo: suas posses, seus títulos, honrarias recebidas ou desculpas, o acompanharão no mundo verdadeiro, do outro lado. Disse uma Rainha de França, em O evangelho Segundo o Espiritismo. “Rainha eu fui entre os homens, rainha eu acreditava entrar no reino dos céus. Que desilusão! Que humilhação [...] vi acima de mim, mas bem acima, homens que eu acreditava bem pequenos [...]”. 
 Quando a despeito de qualquer esforço que façamos a vida nos convidar a deixar a posição em que nos encontramos, agradeçamos a Deus o tempo de experiência oferecido, nos submetendo a sua vontade para outras tarefas por ele concedidas para o nosso aprendizado. Cuidar do que se tem é dever, tentar prender é ilusão. O ÚNICO TESOURO OU TÍTULO QUE NÃO SE PERDE É A ALEGRIA QUE O AMOR CONFERE ÀQUELE QUE AMA.
Autor: Adelvair David