segunda-feira, 19 de março de 2012

REFLEXÕES


AUTO CONFRONTO

O Espiritismo apresenta como necessidade maior para o ser humano, a reforma íntima, a modificação interior dos valores agasalhados na intimidade.

Este processo é o reconhecimento das imperfeições, e não é tarefa simples. O homem sempre altera o curso das novas propostas, em favor do desejo de permanecer como é aguardando melhor momento para a realização de suas mudanças.

A reforma íntima não só exige o ato de isolar a mazela para transformá-la minimizando-lhe a influência, como a determinação em realizar o auto confronto. Ficar frente a frente consigo mesmo e desafiar-se a viver uma nova vida; batalha a que nem todos estão dispostos, por exigir grande dispêndio de forças morais, sempre escassas em qualquer que necessite mudar. A vontade aguardará sempre o exercício na academia do bem.

O bem que fará aos outros com o novo comportamento fica em segundo plano em face do que poderá proporcionar a si mesmo, evitando o mal e as quedas a que deixa de estar suscetível; transformando-se em um verdadeiro distribuidor de bons valores. Neste sentido é necessário observar o ato de amealhar recursos visando o exercício da caridade; os meios devem ser sempre nobres para que não se corrompa doador e recebedor, pois que se assim for, o primeiro deixará de se beneficiar.

Muita gente tem sido ludibriada por alguns e pelas próprias crenças a esse respeito, quando acreditam que, para se tornar melhor basta adotar medidas pueris, realizar ações simplórias, tarefas sem comprometimento com a dignidade e com a vigilância; desejam a modificação automática de uma realidade íntima ruim para outra mais satisfatória sem esforço maior.

Necessário o auto confronto, se realmente o desejo é reformar a própria natureza. Comprometimento sério e sem desculpas com uma nova forma de sentir, pensar e agir; afinal, disse o Senhor Jesus: “brilhe a vossa luz”; a luz, disse Ele, não a treva de um passado obscuro e cheio de vícios, objetivando enganar a própria consciência.

Toda atitude, tarefa, atividade que vise auxiliar os outros, mas, não estimula a modificação de quem a está executando é falseada no seu princípio, mantendo desnorteados quem conduz e quem serve.

Amai-vos uns aos outros como eu vos amei, disse Ele; bom lembrar que é como Ele amou; com respeito e devoção ao bem real, que não coaduna com nenhuma postura equivocada e mundana, mas sim, estimula em primeiro plano o crescimento de quem faz.

CONFRONTA-TE, NÃO TE PERMITAS CONDUZIR SEM JESUS, TENDO CORAGEM DE MUDAR PARA SER FELIZ.
Autor: Adelvair David

Nenhum comentário: