segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

COMER CARNE OU SER VEGETARIANO, OUÇAMOS O CHICO


A MENSAGEM DA MANJEDOURA



A MENSAGEM DA MANJEDOURA

Eram tempos difíceis aqueles. O homem se debatia, amargurado por uma fé insatisfatória; a crença em Deus à base de sacrifícios não sustentava os anseios dos corações que não compreendiam o seu criador.

O tempo era propício, o cenário da galileia se transformou em mais digno ambiente para o propósito dos céus.

O Pai Supremo não apresentava como solução o Embaixador Celeste com poderes para ferir ou destruir, não haveria castigos, punições, represálias nem qualquer hostilidade, Ele traria o tesouro mais valioso que o mundo já viu, a Boa Nova. Ninguém dela estaria preterido, esquecido, todos os de boa vontade poderiam se fartar até a saciedade.

O ódio de um contra o outro já não encontraria mais significação porque Ele ensinaria a dar a outra face; o perdão das ofensas se tornaria a maior honra que alguém poderia alcançar, desfazendo o mal no seu nascedouro, sem lhe perpetuar as consequências ruins.

A estrebaria se iluminou, luz inexprimível se fez, e Ele nasceu. O Excelso amigo da humanidade, na manjedoura trouxe a lição inesquecível, a mais alta conquista que alguém pode almejar, a de ser humilde.

Os homens bons perceberam a Sua presença e vieram alguns de todos os lados verem o menino, o salvador que traria a mensagem de esperança aos homens.

Com Ele, por aqui, gradativamente se extinguiria a carnificina nos circos romanos, os leprosos não seriam mais esquecidos no vale da imundície para se tornarem os irmãos necessitados do amor verdadeiro de do amparo fraternal.

Assim a lição da manjedoura é a de que possamos nos estender as mãos de generosidade, os sorrisos de simpatia e as palavras de motivação em profunda simplicidade de coração.

Com Ele, necessário nascer novamente para os sentimentos nobres do amor e da compaixão, de maneira a viver como Ele ensinou, renovando-nos e auxiliando na renovação da humanidade.

NATAL! É LIÇÃO DE RENASCIMENTO PARA OS ESPLENDORES DE NOVOS DIAS.

Autor: Adelvair David     

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA

CONVITE

Convidamos a todos para a IX FEIRA DO LIVRO ESPÍRITA do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
Local: No Saguão de entra do Supermercado Proença em Jales,SP. Sito à Avenida João Amadeu, pertinho da Rodovia SP-320 (Euclides da Cunha, logo na entrada da cidade)
Período: 17 a 23 de dezembro, no horário das 8h as 21 horas (até o fechamento do mercado) somente no domingo que será até o meio dia.
É momento para adquirirmos bons livros a preços promocionais e de presentearmos amigos e irmãos para este Natal do Senhor.
SEJA BEM VINDO, NÓS TE ESPERAMOS COM TODO O CORAÇÃO
informações pelo e-mail: addavid@ig.com.br ou pelo fone: 17-9744.5405 (Ique)






REFLEXÕES



O MEDO DO FIM

Sobretudo em tempos de grande comoção pública, catástrofes ou na iminência delas, o homem pensa com parâmetros limitados incentivado pela insensatez.

É necessário que tudo se renove, por isso, a natureza possui a Lei de Destruição; é o declínio da matéria para dar lugar a outro fenômeno, o da renovação do espírito. A impossibilidade da eternidade no corpo é benção da Lei de Deus, para que o espírito possa recompor-se, reprogramar-se e assim assumir revigorado, em novo corpo, as tarefas de evolução para consigo e para com os seus irmãos, pelos séculos que se enfileiram.

O medo do fim do mundo, da morte, de perder o que se tem, de perder a saúde, o medo de perder os seus afetos são entendimentos que demonstram como é estreito o limite onde se encontra detido o sentimento humano. Acreditando que tudo se encerra no túmulo e sem outras explicações racionais, o mergulho no nada ou no incerto faz com que muitos se tornem incrédulos ou que não se preocupem com tal desfecho, aguardando com comportamentos inapropriados e negativos o que estaria por vir; como dizem alguns: é preciso experimentar de tudo enquanto se está vivo, porque depois, ninguém o sabe... Esta ideia limita a possibilidade do crescimento moral e espiritual do homem, pois se ele não sabe de onde veio, não sabe para onde vai e nem objetivamente o que está fazendo aqui na terra, a vida, o bem, o amor não terão nenhum sentido. Estas indagações permaneceram por muito tempo sem respostas.

Clamam alguns homens que os ensinamentos de Jesus para eles pouco serve, não consola, muito menos dá suporte para o entendimento da vida e seus desafios.

É importante ressaltar que não há nada que se equipare aos ensinamentos de Jesus, jamais será substituído por qualquer outro que possa dar maior sentido. Ele anunciou que no futuro o homem teria condições de receber o consolador que explicaria tudo o que ele estava dizendo e muito mais. Assim, os espíritos, no ano de 1857, com o lançamento de “O Livro dos Espíritos” trouxeram as respostas às indagações humanas, levantando o véu e apresentando as verdades eternas; estudá-las e aplicá-las à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo é aumentar as possibilidades de acerto. Ditados pelos grandes nomes da humanidade é possível compreender e aproveitar melhor a vida para se chegar ao verdadeiro sentido dos ensinamentos de Jesus que é o de promover a transformação moral do homem.

Existirá sim um fim, do velho mundo moral, com seus conceitos equivocados, carcomidos, próprios das instituições dúbias e sem intenções nobres, para dar lugar ao mundo novo, renovado como o preconizou Jesus.

Cada homem neste mundo tem o dever de ser melhor, colaborar para a melhoria daqueles com quem se relaciona e fazendo todo o bem que lhe seja possível, somente assim, o fim deste tempo se abreviará para que nasça a nova era do amor e da Paz.

OS CÉUS ENVIARAM O CONVITE E O CORAÇÃO DE UM HOMEM ENCHEU-SE DE LUZ, NAS MÃOS DO MESTRE LIONÊS, A HUMANIDADE VIU FLORESCER NOVAMENTE A PRESENÇA DE JESUS.
Autor: Adelvair David

domingo, 9 de dezembro de 2012

ACONTECEU!


Nestes dois dias 8 e 9 de dezembro, aconteceu o 9º EEME, encontro de estudo e meditação espírita do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores, foi na chácara do Professor Domingos. 
Com quase que a totalidade dos trabalhadores, um grande número mesmo de comparecimento, tivemos oportunidade de passar momento felizes juntos nos confraternizando e meditando em torno do tema proposto: NAS PEGADAS DE JESUS-conviver para aprender amar, que será o direcionador das atividades para o ano de 2013.
 Com perceptível alegria dos participantes, conversamos sobre as falas do Cristo: “ Não vos inquieteis...”, onde refletimos sobre a queixa - não há razão para a queixa; “Aprendei de mim...” , onde refletimos que os nossos olhos necessitam permanecer direcionados para Deus como sempre estiveram os do Cristo.
 Os espíritos amigos asseveraram que a casa é uma embarcação cujo barqueiro condutor é Jesus, não nos percamos dele, caindo nas águas das ilusões. 
O Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores agradece a participação de todos e que Jesus nos abençoe. 
 David - Departamento de Doutrina

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

REFLEXÕES



AS RAZÕES DO CORAÇÃO

Basta que uma dor se apresente onde quer que seja e logo corações beneméritos estendem a mão em auxílio de alguma forma.

O homem comum não compreende estes movimentos caritativos. O limite estreito onde se detém não lhe permite alcançar as razões que faz com que pessoas desconhecidas se preocupem umas com as outras; que seres que não possuindo quase nada, ainda encontrem algo para dividir.
É o coração humano, que tem suas próprias razões para se importar com o seu semelhante. Estas estão ligadas a uma capacidade natural que pode ser desenvolvida por qualquer pessoa. Assim como os músculos necessitam de exercícios apropriados para atingirem seu desempenho, o coração também deve ser cuidadosamente preparado para percepções mais delicadas, que não exigem força, mas sim sensibilidade.

De todas as experiências humanas, a mais significativa e que traz mais crescimento moral e espiritual, traduzindo de forma efetiva a natureza divina de cada pessoa, é a de conviver nas fronteiras das dificuldades alheias. Ali acontece de tudo; privações, dores, indigências, lágrimas, humilhações e mais... Aquele que se permite servir não será mais o mesmo. Impossível auxiliar uma dor e permanecer enrijecido para as decisões nobres e elevadas da vida. Ocorre sempre um fenômeno muito interessante no coração de quem auxilia, é uma boa inquietação que nasce e aumenta a cada instante, uma ternura que faz com que a lembrança do sofrimento do outro se traduza em lágrimas e se tenha vontade de ir em seu socorro.

Assim, quem procede desta maneira, torna-se instrumento dócil das forças divinas, que através dos seus mensageiros encontram farta disponibilidade, seja ela material e ou espiritual para que a vontade de Deus seja cumprida, a de fazer com que as suas bênçãos chegue até o necessitado.
Aquele que ocupa suas horas atendendo aos convites do coração encontrará sem reservas muitas razões para amar. Se assim não fosse o Senhor Jesus não nos teria dito que a mesma felicidade que desejamos para nós, deveríamos primeiro proporcioná-las ao nosso semelhante. “Ama ao teu próximo como a ti mesmo”.

Que não se preocupe o homem em apresentar suas mãos a serviço do coração, não irá manchá-las como alegam alguns; findando a tarefa, elas estarão mais límpidas e luminosas, sem as nódoas da indiferença e dos crimes do passado. A única coisa que pode prender as mãos do homem, é usá-las para prejudicar o seu semelhante em quem se encarcera até o pagamento do último ceitil moral que deva, assim asseverou Jesus.

Desdobrando o coração em doação, a criatura humana se despirá da presunção e vestirá a humildade, única túnica aceita no reino dos céus.

O CORAÇÃO SEMPRE TERÁ MUITAS RAZÕES PARA AMAR E CONSEQUENTE SER FELIZ.
Autor: Adelvair David 

domingo, 25 de novembro de 2012

JANTAR BENEFICENTE


CAROS AMIGOS E IRMÃOS
Convidamos a todos para mais um jantar 
no Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
Será no dia 1º de dezembro das 20h30´ as 22h30´
será nosso último jantar do ano
Local: Rua 19, n° 768, Bairo São Judas Tadeu - Jeles, SP
Pratos: Alcatra ao molho Madô, Purê de batata, Creme de milho, Arroz Branco, Sala agridoce com bacom, Salada caprese e Salada de pepino com gergelim.
SEJA BEM VINDO, JUNTOS NESTA CONFRATENIZAÇÃO AMOROSA, DESPEDIMO-NOS DO ANO DE TRABALHO E AMOR
Adquira seu convite com os trabalhadores ou pelo e-mail: addavid@ig.com.br, retirando-o na hora e local do jantar

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

PALESTRA ESPÍRITA

Estará conosco a oradora ANA GUIMARÃES 
da cidade do Rio de Janeiro. 
Ana é amiga e irmã de nossos corações, sua oratória nos traz alento e reflexões em torno das nossa vivências, vamos recebê-la com carinho.
 será neste domingo as 19h30min no grupo espírita beneficente Maria Dolores rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu - Jales,SP informações: addavid@ig.com.br

INFORMATIVO MARIA DOLORES Nº 177

sábado, 10 de novembro de 2012

REFLEXÕES



O ETERNO AMOR
Embora relute sempre, neste sentido, o homem necessita amar porque esta disposição faz parte da essência da sua alma.

O amor como é entendido pelo homem moderno, acostumado a ter tudo o que imagina atendido pela tecnologia, guarda relação com a satisfação dos seus desejos em relação ao que o outro pode lhe dar, em correspondência aos anseios. Porém, o que se observa é que apesar de todos os esforços que faça na direção deste entendimento, quanto mais recebe, mais vazia se percebe a criatura humana. Anuncia a canção atribuída ao poveretto de Assis: “é dando que se recebe”, demonstrando sem dúvidas que o que faz bem não é o que se recebe, mas sim o que se dá, portanto, só é feliz aquele que ama, firmando o conceito de quem se dispõe amar o outro, consequentemente desenvolve grande apreço por si mesmo, tornando-se inevitavelmente mais feliz.

O brilhante Leon Tostoi afirma: “O homem ama, porque o amor é a essência da sua alma. Por isso não pode deixar de amar”.

A felicidade no sentido do amor é busca tão ávida quanto à do alimento quando se está faminto. Se pela falta do segundo perece-lhe as forças físicas, pela falta do primeiro falece-lhe todas as possibilidades de prosseguir vivendo. Sem amor o homem morre para a vida que lhe abriga. Tanto quanto a planta que não recebe água, que murcha até o seu irremediável definhamento, aquele que carece de amar embora realize muitas coisas e seja até notado nos pódios das ilusões, secará até que a ressequidão lhe seja insuportável, quando então buscará o amor que lhe é essência. Afirma Fénellon que “o amor é de essência divina”, sendo assim, mesmo que acredite o contrário, o homem não pode viver sem Deus e, descobrirá mais cedo ou mais tarde.

Não foi por outro motivo que o meigo Senhor acrescentou aos mandamentos da Lei. “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Amor que faz o grande se tornar pequeno para se aproximar do fraco, e faz o fraco se tornar forte para apoiar o grande afim de que ele prossiga batalhando pelos seus nobres ideais. Assim ensinou o mestre.

A lição ainda é a mesma. Apesar de ter se passado o tempo desde que Ele esteve fisicamente aqui, nós ainda relutamos em atender-lhe os ensinamentos, sendo o mais importante o de amar incondicionalmente. Com o coração cheio de certezas e equívoco solicita o discípulo querido ao Mestre amoroso. “Senhor, quantas vezes devo perdoar ao meu irmão [...] será até sete vezes?”. E Ele, com a serenidade do céu límpido e azul de notável beleza, com a mansidão na voz, semelhante ao sussurro do vento que fala à natureza deixando-lhe mensagem de paz aconselhou a Pedro: “eu não vos digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes”. Não poderia Ele fazer mais apropriada alusão a um tipo de amor que atende às necessidades de todos os tempos, o de amar perdoando.

O ETERNO AMOR POR OPÇÃO TRARÁ AO HOMEM A JOVIAL DISPOSIÇÃO PARA ENCONTRAR A VERDADEIRA FELICIDADE.
Autor: Adelvair David

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

REFLEXÕES


O CORAÇÃO
O coração humano é receptáculo de forças emocionais de toda ordem. Acondicionadas, porém, não estacionadas, elas se direcionam para onde a vontade determinar.

A movimentação da alma pelas suas vivências neste mundo lhe propiciam experimentar uma gama infinita de sensações que acionam de certa forma os sentimentos.

O dito popular, “ninguém dá do que não tem”, traz no fundo sua verdade. Elucidando a dificuldade humana nos campos do coração disse o mestre nazareno: “a boca fala do que está cheio o coração”. Um coração cheio de bons sentimentos irradia ternura no olhar, doçura nas palavras e mansidão nos movimentos, enquanto que aquele que cultiva negatividades é duro no proceder e pesado na expressão. Não é difícil identificar quem verdadeiramente está em paz, quem tem o coração cheio de bondade ou que a possui relativamente; a despeito do que possa estar lhe acontecendo é sempre sereno e se pode sentir a sua leveza, mesmo em dias tumultuados ou em meio a acerbas provações; o desespero, por exemplo, é próprio de uma alma desconfiada, frágil que, agindo assim, anuncia o despreparo para os enfrentamentos da vida.

A forma mágica de como é apresentada a modificação do homem deixa muito a desejar na sua eficácia. O fato de alguém aceitar um conceito de fé não lhe confere maiores atribuições emocionais; o sentimento não muda de forma repentina, pois um coração cheio de condicionamentos e hábitos menos felizes só lentamente, e se o desejar, alterará os painéis obscuros e enganosos dos sentimentos mesquinhos. Asseverou o mestre lionês, Allan Kardec que: “é preciso fazer grandes esforços para domar as más tendências”. Iludir-se neste sentido é receber falsos sinais interiores indicando direção errada a seguir; vemo-nos muitas vezes nas bordas perigosas de precipícios morais, materiais ou espirituais, por adotar pensamento mágico sem o devido abalizamento dos sentimentos verdadeiros; estes só é possível consegui-los a custa de lutas íntimas para se substituir os ruins pelos melhores.

Asseverou Jesus: “Não se turbe o vosso coração”, anunciando que no coração haverá o homem de fazer suas maiores lutas. Testado nos seus limites dará respostas conforme as suas resistências morais. Como a vida é feita de convites o homem sempre os terá em todos os sentidos, bons e ruins, que virão mais de dentro do que de fora de si mesmo; as tendências milenares em sua natureza serão apetitosos pratos, envenenados muitas vezes pelos comprometimentos do ontem.

Hoje é tempo de mudar, Deus nos aguarda mais esperançosos quanto nossas possibilidades de crescimento. Empreender pacificadoras ações é encher o coração de sentimentos nobres, tesouro imperecível que permitirá a paz e a felicidade em qualquer tempo e em qualquer lugar. Não importa quanto tempo alguém caminhou na direção errada, o que é significativo é o que pretendemos fazer a partir de agora pela nossa edificação espiritual.

NOSSA PAZ OU NOSSA DOR NÃO A ENCONTRAREMOS NO MUNDO, PORQUE É CONSTRUÇÃO QUE FAREMOS NO PRÓPRIO CORAÇÃO.
Autor: Adelvair David     

quarta-feira, 17 de outubro de 2012


CAROS AMIGOS E IRMÃOS
queremos convidar a todos para mais um JANTAR no GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES
Será no dia 27 de outubro de 2012, das 20h:30` as 22h30´
Endereço: Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu, Jales-SP
Pratos: frango marinado, Arrroz branco, Bavetti Aglio e Olio, Molho vermelho, Salada Crocante e Antepasto de Abobrinha.
SEJA BEM VINDO, A COMIDA É BOA E A CONVERSA ACALENTA O CORAÇÃO
Informações: 17- 3632.9983 (Jane) ou pelo e-mail: addavid@ig.com.br (David) - se preferir reserve por e-mail e retire o convite no local, no horário do jantar.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

REFLEXÕES


O TEMPO
O tempo é o grande aliado da maioria das resoluções humanas.
O que é preciso analisar é o seu efeito filosófico, o da interpretação moral e emocional a que o homem está sujeito e tem reflexo no interior de cada um.
Quando alguém deve atender a um compromisso em relação à outra pessoa e não o faz, as coisas se complicam no sentimento do prejudicado, trazendo-lhe desconfortos e angústias que podem danificar ou destruir a sua vida. Para quem negligencia o seu dever, as coisas parecem prosseguir sem grandes problemas, a situação muita vez pode apresentar-se cômoda, porém, para a vítima, o tempo lhe parecerá uma eternidade; principalmente se estiver suportando peso moral ou material.
Como não é possível prosseguir deixando pendências para trás, a calmaria que se experimenta é apenas ilusão; quem lesa alguém de alguma forma, estaciona no momento em que deixou de cumprir com o que lhe era devido. O futuro, nem sempre longínquo, reserva estados de tédio e solidão inexplicáveis para o devedor. O fio que o mantém atado a quem prejudicou tem uma extensão máxima; não sendo possível mais prosseguir sem buscar a solução do problema, o homem se lembra da sua apagada vítima que provavelmente nunca o esquecera. É então, que para ter paz de consciência, alguns decidem por promover o ressarcimento, para que a vida programe no devido tempo a devolução moral, única forma de reconquistar o sossego de alma.
Na questão das alegrias, o tempo tem um caráter ainda mais curioso. Reclamam alguns que estas passam rápido demais. Mesmo uma viagem merecida de descanso, a vaidade excessiva pode fazer com que ela  não ser aproveitada, em função dos estressantes preparativos que antecipam cansaços criando um clima de sofrimento obscurecendo-lhe o brilho. Em outras situações dizem alguns: “as coisas estão tão boas que estou até desconfiado”... É idéia de muitos de que o homem está na terra para sofrer e ser infeliz. “Ensinam os espíritos venerandos que na Terra, cabe ao homem ser tão feliz quanto lhe seja possível”, dependendo só de si os meios de o fazer; o bom uso do seu sentimento viabilizará esta conquista.
Necessário meditar: “o tempo é o caminho por onde se escoam os fatos que o homem deve bem viver”.
A vida é a prazerosa experiência que nos colocará sempre na presença dos nossos irmãos, onde devemos aproveitar o tempo para bem conviver, se desejamos verdadeiramente aprender a ser feliz.
NO TEMPO DE SER FELIZ É NCESSÁRIO RENUNCIAR; NO TEMPO DE RENUNCIAR É NECESSÁRIO O SACRIFÍCIO; NO TEMPO DO SACRIFÍDIO É NECESSÁRIO AMAR.
Autor: Adelvair David  

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

SALVE ALLAN KARDEC - 208 ANOS


HIPPOLYTE LÉON-DENIZARD RIVAIL (ALLAN KARDEC) - Allan Kardec nasceu Hippolyte Léon-Denizard Rivail, em 03 de Outubro de 1804 em Lyon, França, no seio de uma antiga família de magistrados e advogados. Educado na Escola de Pestalozzi, em Yverdum, Suíça, tornou-se um de seus discípulos mais eminentes.
Foi membro de várias sociedades sábias, entre as quais a Academie Royale d'Arras. De 1835 à 1840, fundou em seu domicílio cursos gratuitos, onde ensinava química, física, anatomia comparada, astronomia, etc.
Dentre suas inúmeras obras de educação, podemos citar: "Plano proposto para a melhoria da instrução pública" (1828); "Curso prático e teórico de aritmética (Segundo o método de Pestalozzi)", para uso dos professores primários e mães de família (1829); "Gramática Francesa Clássica" (1831); "Programa de cursos usuais de química, física, astronomia, fisiologia"(LYCÉE POLYMATIQUE); "Ditado normal dos exames da Prefeitura e da Sorbonne", acompanhado de "Ditados especiais sobre as dificuldades ortográficas (1849).
Por volta de 1855, desde que duvidou das manifestações dos Espíritos, Allan Kardec entregou-se a observações perseverantes sobre esse fenômeno, e, se empenhou principalmente em deduzir-lhe as conseqüências filosóficas.
Nele entreviu, desde o início, o princípio de novas leis naturais; as que regem as relações do mundo visível e do mundo invisível; reconheceu na ação deste último uma das forças da Natureza, cujo conhecimento deveria lançar luz sobre uma multidão de problemas reputados insolúveis, e compreendeu-lhe a importância do ponto de vista religioso.
As suas principais obras espíritas são: "O Livro dos Espíritos", para a parte filosófica, e cuja primeira edição surgiu em 18 de Abril de 1857; "O Livro dos Médiuns", para a parte experimental e científica (Janeiro de 1861); "O Evangelho Segundo o Espiritismo", para a parte moral (Abril de 1864); "O Céu e o Inferno", ou "A Justiça de Deus segundo o Espiritismo" (Agosto de 1865); "A Gênese, os Milagres e as Predições (Janeiro de 1868); "A Revista Espírita", jornal de estudos psicológicos.
Allan Kardec fundou em Paris, a 1º de Abril de 1858, a primeira Sociedade Espírita regularmente constituída, sob o nome de "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas".
Casado com Amélie Gabrielle Boudet, não teve filhos.
Trabalhador infatigável, desencarnou no dia 31 de março de 1869, em Paris, da maneira como sempre viveu: trabalhando. ("Obras Póstumas", Biografia de Allan Kardec, edição IDE)

terça-feira, 2 de outubro de 2012

REFLEXÕES



CAMPOS CONSCIENCIAIS
A consciência tem mecanismos interessantes.
Permite ao homem prosseguir do jeito que está, e não o impede as realizações na fieira dos dias que se seguem.
É muito comum, e pode ser encontrado nas literaturas psicológicas e outras que analisam o comportamento humano, indivíduo possuidor de total segurança e determinação apresentar-se às várias instituições médicas ou religiosas clamando por socorro ante feroz inimigo que se levantou interiormente ameaçador, querendo devorá-lo sugando-lhe as energias e as esperanças.
Se por um lado o momento é doloroso, por outro é marco determinador de mudança. O homem só conseguirá prosseguir então se houver real e honesta proposta em mudar os rumos do seu entendimento; se buscar alterar os seus valores estabelecendo trégua para consigo mesmo a fim de empreender as transformações morais verdadeiras, não mais de aparências.
A consciência é aferidora e tem como parâmetro as leis divinas e naturais que imutáveis, cabe o homem respeitar; do contrário, de tempos em tempos, e isso pode se dar na mesma existência ou em outra, ele será convidado pela inevitável mestra, “a dor”, rever os seus procedimentos. Neste intento, estará sozinho consigo mesmo. Diante da prova, mesmo que alguma alma querida se sacrifique assumindo auxiliá-lo, experimentará desconfortos como conseqüência dos seus atos, sendo estes intransferíveis.
Muitos bradam denunciando existirem pessoas que mesmo sem o devido cuidado com a conduta, vivem livres e soltos, sem que nada lhes aconteça. Preciso é compreender que, neste mundo a humanidade toda sofre do mesmo mal, a imperfeição; raros são os que não se deixam arrastar por alguma delas, mesmo que uma vez ou outra. Nem sempre se é possível acompanhar alguém até o entardecer da sua existência, quando muitas vezes experimenta dores acerbas e dificuldades. Caso tudo corra bem, se é que se pode assim dizer, não se pode anestesiar para sempre a consciência que em algum momento, aqui ou na vida espiritual, vai transferir o espírito para dentro das realidades emocionais que criou, exigindo-lhe devolver o que tirou, reparar os sentimentos que lesou para se recompor intimamente.
A ninguém é licito julgar as ações dos outros como nos ensinou Jesus, até porque, disse ele: “com a mesma medida com que medirdes sereis medidos”, avisando-nos que todos temos campos conscienciais avariados para consertar e melhorar para ser feliz.
O homem só poderá resistir aos apelos externos e internos se puder lembrar-se que não é um corpo mas um espírito vivendo em corpo temporário, de onde terá que partir a qualquer momento. Ao retornar à casa verdadeira deverá como forma de crescimento responsabilizar-se  por tudo o que tiver feito enquanto encarnado; pequenos e  grandes os atos assumem aparências relevantes. Segundo Jesus, o homem é responsável até pelos seus pensamentos, que Deus conhece.
Portanto, mesmo que os exemplos do mundo sejam os mais inadequados possíveis, que os convites apetitosos proponham seguir por este ou aquele caminho, melhor ponderar e buscar as reservas morais, construídas na renúncia e na decisão sempre digna.           Necessário a qualquer um buscar a sua espiritualização. Deixar pendências morais é atrasar a própria felicidade.
Sempre se poderá recomeçar, porém, nem sempre nas mesmas condições atuais; mesmo difíceis elas representam extensão da misericórdia divina que, amenizou o fardo devido, na medida dos ombros de cada um.
MEDITA E ORA DESEJANDO RECONHECER O MELHOR A FAZER PELA TUA PAZ E TRANQUILIDADE.
Autor: Adelvair David

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

MOMENTO DE ORAÇÃO


MOMENTO DE ORAÇÃO
Neste domingo dia 30 de setembro das 8h30min às 9h (antes da mocidade) estaremos orando e meditando junto com os corações que desejarem, no Maria Dolores.ORAR É ROGAR FORÇAS,   NUTRIR-SE NO SENHOR JESUS
Rua 19, nº 768, Bairro S. Judas Tadeu - Jales, SP
David 
(Diretor de Doutrina - MADÔ)

terça-feira, 25 de setembro de 2012

JANTAR BENEFICENTE

CAROS AMIGOS E IRMÃOS
queremos convidar a todos para mais um jantar no GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES
Será no dia 29 de setembro de 2012, das 20h as 22h
Endereço: Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu, Jales-SP
Pratos: Coxa e sobrecoxa crocante, lasanha de legumes, arroz branco, creme de espinafre, salada americana e salada de repolho crocante.
SEJA BEM VINDO PARA UMA BOA COMIDA E BOA CONVERSA EM NOSSA CASA DO CORAÇÃO
Informações: 17- 3632.9983 (Jane) ou pelo e-mail: addavid@ig.com.br (David) - se preferir reserve por e-mail e retire o convite no local, no horário do jantar.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

UNIVERSALIDADE DO ENSINO DOS ESPÍRITOS - REVELAÇÕES


[...]
O médium sincero, mais do que outro lidador laborioso em qualquer área de ação, encontra-se em constante perigo, necessitando de aplicar a vigilância e a oração com frequência, de modo a manter-se em paz ante o cerco das entidades ociosas e vingadoras da erraticidade inferior. Isto porque, comprazendo-se na prática do mal, a que se dedicam, as mesmas transformam-se e inimigos gratuitos de todos aqueles que lhes parecem ameaçar a situação em que se encontram.
Por isso mesmo, a prática mediúnica reveste-se de seriedade e de entrega pessoal, não dando espaço para o estrelismo, as competições doentias e as tirânicas atitudes de agressão a quem quer que seja...
[...]Examinar com cuidado as comunicações de que se faz portador, evitando a divulgação insensata de temas geradores de polêmica, a pretexto de revelações retumbantes, já que defendê-los constitui inadvertência e presunção, por considerar-se como o vaso escolhido para as informações de alto coturno que o mundo espiritual libera, somente quando isso se faz necessário. Jamais esquecer, quando incluído nessa categoria, que o caráter da universalidade do ensino, conforme estabeleceu o mestre de Lyon, é fundamental para demonstrar a qualidade e a origem do ensinamento, se pertencente a um espírito ou se, em chegando o momento da sua divulgação entre as criaturas humanas, procede da espiritualidade superior.
Quando se sente inspirado a adotar comportamentos esdrúxulos, informações fantasiosas e de difícil confirmação, materializando o mundo espiritual como se fosse uma cópia do terrestre e não ao contrário, certamente está a desserviço do Bem e da divulgação do Espiritismo.
O verdadeiro médium espírita é discreto, como convém a todo cidadão digno, evitando, quanto possível, o empenho em impor as revelações de que se diz instrumento.
[...]
Tem cuidado na maneira pela qual exterioriza as informações recebidas, dando-lhes o tom de naturalidade e de equilíbrio, evitando o deslumbramento que a ignorância em torno da faculdade sempre reveste com brilho falso os que são seus portadores.

[fragmento da obra Mediunidade: Desafios e Bênções - Espírito: Manoel P. de Miranda - Médium: Divaldo Franco.]


sábado, 15 de setembro de 2012


O CINE MADÔ APRESENTA
Minha Vida
duração: 116 min
Sinopse: Ao mesmo tempo que descobre que vai ser pai pela primeira vez, o homem também fica sabendo que tem uma doença terminal. Assim, produz um vídeo da sua vida para deixar para o seu filho que vai nascer.
SERÁ NO SÁBADO DIA 22 DE SETEMBRO DE 2012 as 20h
no Grupo Espírita Beneficente MARIA DOLORES, sito à Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu, Jales-SP
programação com intervalo de 10 min
-atividade interna e gratuita-
SEJAM TODOS BEM VINDOS
informações fone: 17-3632.9983 (Jane)

domingo, 9 de setembro de 2012

REFLEXÕES


SONHOS OU IDEAIS
O homem comum cumpre rotinas sem grandes possibilidades de serem alteradas, sonhando com uma realidade que lhe possa permitir um pouco mais de conforto.
 Neste desafio, que é o de encontrar uma forma de se motivar nesta mesmice doentia, frustra-se a todo momento. Ao recolher-se para o sono reparador percebe-se no mesmo degrau onde iniciou o seu dia. As filosofias da acomodação pregam o conformismo, enquanto uma força profunda aflige o homem estagnado insultando-o a fim de que tome providências para alterar a sua situação, sem que ele saiba exatamente como fazer isto. A teoria dos milagres hipnotiza muitas almas, forçando-as a caminhar às tontas aguardando que a divindade possa lhes resolver a problemática existencial; prosseguem barganhando com oferendas infrutíferas, sem o menor entendimento do que estão fazendo. Quando disse o Mestre Nazareno: “deixa a tua oferenda [...] vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão”, ensinou que a rota do amor de Deus passa pelo coração do homem, devendo este estar limpo de impurezas e mesquinharias. Neste entendimento convidou-o a ser o agente primeiro da sua realização enquanto pede; literalmente nada cai do céu, todo ideal é um projeto cuja execução começa pelos esforços do idealista. 
O sonhador tem um amor platônico pela vida, vive no campo das idéias e não tem vontade firme para tomar melhores decisões, enquanto que o idealista colabora ativamente e participa com determinação e sentimento da sua vida. Sempre alegre e vibrante prossegue apesar de qualquer percalço que lhe surja; se não conseguiu chegar onde desejou, surpreende-se depois de algum tempo muito além do lugar onde se encontrava, e isto lhe faz bem, porque se empenhou no que lhe foi possível. 
Ensina o espiritismo que o homem é o artífice do seu próprio destino; deve viver cada minuto como se ele fosse o último da sua vida. Aproveitar as oportunidades, educar os seus pensamentos e a sua conduta é criar um estado de lucidez que lhe permita perceber os sinais da vida, do que deve ou não fazer, dos rumos mais apropriados a seguir evitando assim os acidentes desnecessários, muito próprios da visão embaçada pelas paixões inferiores que predominam em detrimento das atitudes nobres. 
Os sonhos encantam os poetas que nos trazem belas canções em forma de poesia, porém, só os ideais movimentam a vida dando-lhe verdadeiro sentido, o da realização. 
Enquanto dorme o homem sonha, porém, é no mundo objetivo que ele acorda respirando o hálito das oportunidades nobres, para crescer sem limites. 
APROVEITA-AS TU AGORA A FIM DE DEIXAR UM RASTRO DE LUZ DO AMOR QUE PUDER VIVENCIAR.
Autor: Adelvair David

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

CONCEITO EQUIVOCADO


Visão incorreta a respeito dos médiuns possuem aqueles que do Espiritismo conhecem apenas as informações e conceitos equivocados, sem estrutura de lógica nem contribuição racional.
Adotando ideias fantasiosas que primam pela ingenuidade da crença no sobrenatural, pensam que os médiuns são seres humanos especiais, portadores de dons e de poderes que os capacitariam a solucionar quaisquer problemas e dificuldades que lhes sejam apresentadas.
Em face dessa óptica distorcida da realidade, envolvem os medianeiros em auréolas de santificação, concedendo-lhes atributos que estão distantes de os possuir.
Diante deles, sentem-se privilegiados, insuflando-lhes paixões morais, filhos torpes do egoísmo que dilacera muitas almas inadvertidas, logo as perturbando e enlouquecendo sob o seu guante.
Como efeito do mesmo desconhecimento, pensam que os sensitivos estão sempre cercados pelos numes tutelares e trazem, em rezão disso, complexos enigmas a todo momento, e irresponsavelmente induzindo-os a elucidações de ocorrências que não poder ser realizadas.
Basta que os vejam, e esses clientes inadvertidos desfilam-lhes o rosário de queixas, de lamentações, descarregando contínuas dificuldades que não estão realmente interessados em solucionar.
[...] Quase nunca lhes oferecem palavras amigas , que supõem eles não necessitarem, sobrecarregando-os com os seus fadários, maus humores e agressividade.
Creem que os servidores da mediunidade encontram-se no mundo para conduzirem os seus fardos.
Se os notam cansados, tristes ou sofridos, decepcionam-se, chocados, indagando onde estão os seus guias espirituais, que os não aliviam?
[...] Percebendo-os irritados nos momentos infelizes, embora o seu incessante júbilo, apresentam-se ofendidos e desconsiderados, apesar de se permitirem a rudeza, a ingratidão e as exigências variadas.
A mediunidade não é uma graça divina, nem um processo adivinhatório, ou ainda recurso mirabolante para saciar a sede das novidades humanas...É uma conquista adquirida através da evolução para o intercâmbio espiritual, para a iluminação de consciências e crescimento espiritual.
[...] O conhecimento do Espiritismo aclara esse conceito incorreto a respeito dos médiuns, assim como de inumeráveis questões que podem ser esclarecidas e desmistizadas, facultando mais amplo entendimento sobre a via e o seu precioso significado.
[...] Precatem-se os bons médiuns, aqueles que se fizeram espíritas, contra o culto ao personalismo, ao egoísmo e a todos os perigos que os cercam, tentando impedi-los de avançar e de crescer interiormente.
Elejam o trabalho de auxílio fraternal como mecanismo de equilíbrio e, estudando a Doutrina para bem compreender a tarefa que lhes cumpre desempenhar, não se olvidem da humildade verdadeira, prosseguindo no afã de autoiluminação.
Autor: Manoel Philomeno de Miranda - Psicografia - Divaldo Pereira Franco - Obra: Mediunidade: Desafios e Bençãos.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

REFLEXÕES



PROPOSTAS
A maravilhosa viagem humana pelos caminhos terrenos é a mais bela movimentação da vida que vem de Deus, em todos os sentidos que se pode conceber.
A gama de experiências a que a humanidade está sujeita é infinita. O criador dotou a Sua criatura, que a princípio simples e ignorante, de capacidades que dormem aguardando os estímulos no tempo certo para serem despertadas; estes mecanismos de evolução interior são infinitos, como as são as estrelas do céu; acordarão lentamente um a um, conforme o contato do aprendiz com as verdades divinas, que lhe proporcionarão o aprendizado profundo.
Entre muitos apontamentos de para onde o homem deve seguir, Ele, o embaixador de Deus para o nosso planeta, esteve aqui mostrando e vivenciando.
A presença de Jesus no orbe terrestre não é apenas a de um espírito superior que fez coisas extraordinárias e deixou uma linda mensagem de amor; é o indicativo do único caminho que se tem para chegar a Deus. Ir ao Pai é alcançar a grandeza de entendimento em relação às coisas celestes como o mestre ensinou, uma visão além da mediocridade de enxergar do homem comum; os servidores do amor de todos os tempos e também destes, o fizeram... Alguns alcançaram muitas destas percepções e se tornaram irradiadores do amor de Deus sem necessitarem possuír nenhuma especialidade religiosa, títulos ou honrarias, mas apenas utilizando o coração como Ele ensinou. Afinal foram Dele, do mestre amoroso as palavras: “quem quiser vir após mim” [...]. Refletindo sobre estas palavras vemos que só existe o “depois Dele”. Muitos homens se atribuem santidade antecipada que só pode verdadeiramente ser conquistada despojando-se de tudo o que possa querer diferenciá-lo dos seus irmãos. Aqueles que se sentem grandes por fora geralmente são muito pequenos por dentro, é o verniz que cobre imperfeitamente a superfície... Um arranhão pode desvelar o que está escondido.
Afirmam os espíritos venerandos que os caminhos que Ele andou estão quase desertos, empoeirados e cheios de pedrouços, e poucos se aventuram a seguir por ele. A mulher desventurada que Ele aconselhou seguiu, e transformou a sua vida.
Nesta experiência humana atual, como já se foram outras e muitas virão, necessário não esquecer que os ensinamentos do Senhor Jesus fundamentou reflexões em torno do sentimento humano, dando a este a maior importância. Ao chamar a atenção, tanto dos Seus discípulos quanto da multidão que o seguia, falou de um reino que não era deste mundo, mas afirmou estar dentro de nós todos. Falou da conduta para não fazermos ao outro o que não gostaríamos que nos fosse feito e que a aquele que tem maior amor é o que tem coragem a de dar a vida pelo seu semelhante. Os desejos e as aspirações humanas devem sempre ser direcionados para se fazer o que se deve não o que se quer, objetivando alcançar o bem futuro e o imediato possível, onde cada criatura se prepara para a conquista da paz e da idealizada felicidade. Aí, assim, onde estiver o homem estará no céu, salvando-se de si mesmo livrando-se das próprias imperfeições.
Urge para todos o tempo de assumir o controle sobre os próprios sentimentos, admitindo os inferiores para melhorá-los e reforçando os melhores para coloca-los a serviço do bem em toda parte.
Quem ninguém se iluda de transferir-se para o controle deste ou daquele que o possa guiar. Cada homem é viajante e também busca o que lhe falta, podendo ser para o outro apenas exemplo do que já conquistou.
A lei de Deus está escrita na consciência, se a anestesiarmos agora, ela acordará amanhã, exigindo reparação.
PROPONDO CONQUISTAR POR DENTRO, O HOMEM SERÁ E FARÁ O OUTRO FELIZ.
Autor: Adelvair David

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

REFLEXÕES


REPENSANDO
Velhos conceitos estão sempre presentes em novos desafios para o entendimento humano.
São necessidades primordiais para o progresso moral e intelectual do “ser” a família, o trabalho, o outro e a religiosidade; jamais será superada a consideração que se possa dar a esses assuntos, sendo de suprema relevância repensar a respeito; os tempos não conseguiram a liberação do homem quanto ao cumprimento dos seus deveres nestes quesitos.
Se o homem conseguiu progressos que lhe facilitam a vida material, por outro lado ainda sofre esmagado pelos problemas que lhe dificultam ou impossibilitam a convivência com o seu semelhante. Ter responsabilidade no trato com o outro, buscar a sua espiritualização, jamais deixará de ser tarefa importante a realizar neste planeta, onde as provas e as expiações o convidam incessantemente à renovação e reconstrução dos seus sentimentos melhores, muito necessários para o êxito existencial.
Embora a sua ilusão aponte para um entendimento diferente, melhor pensar que a família nunca será, neste mundo, uma instituição em desuso; ela voltará a ser motivo de máxima atenção em breve e assumirá o seu verdadeiro papel de preparadora de corações para a experiência social e individual. Através do trabalho o homem desenvolve os seus potenciais adormecidos, fortalecendo o caráter e preparando-se para ser instrumento divino na construção de um novo mundo. No processo de auto entendimento, o saber de si mesmo, isto só será possível através do outro; conhecerá os seus defeitos e virtudes conforme propor-se o contato com os seus irmãos, de quem colherá as impressões necessárias para a sua auto-avaliação, onde então, poderá propor mudanças íntimas verdadeiras. Bom refletir também que o sentimento de religiosidade é que permitirá a permanente comunhão do homem com Deus, conferindo-lhe mais serenidade e confiança na caminhada; conhecer a sua realidade espiritual é ter a oportunidade de evitar muitos males e fazer as coisas com mais consciência.
Enquanto muitos se enchem quando alegam ouvirem sempre os mesmos assuntos retornando nas paisagens humanas, outros ressaltam a importância de se buscar soluções mais efetivas para a erradicação de antigos problemas experimentados pelo homem. O tempo passa e os milagres esperados não acontecem. A modificação do homem virá dele mesmo, das suas lutas, dos seus esforços, da sua dedicação à sua vida e do seu semelhante. Há quem diga que as coisas não mudam; importante lembrar que as conquistas só dependem de um pouco mais de boa vontade, de renúncia, de respeito, de dignidade, de ética e finalmente, um pouquinho mais de amor.
A tecnologia deveria facilitar a vida do homem no mundo das formas e não neutralizá-lo, roubando-lhe a atenção e absorvendo-lhe as energias, necessárias para as vivências mais importantes. O seu aprimoramento por certo acontecerá quando se permitir deixar a zona de conforto pessoal para ampliar o seu modo de olhar; se prestar um pouco de atenção verá a esposa, o marido, os filhos abandonados no circuito do próprio lar, embora convivendo sob o mesmo teto; há muitas relações perecendo por falta de atenção e carinho; corações sofrendo por falta de compreensão, assustados, temerosos pela incerteza do que lhes vai acontecer amanhã, sentem que a sua ligação com o seu ente querido pode desfazer-se a qualquer momento. Olhando mais adiante verá rostos macilentos aguardando um pedaço de pão; crianças desejando entender porque sofrem enquanto outras possuem tudo e podem sorrir; eles não sabem que são vitimas da indiferença individual, de quem sempre deixa para amanhã o momento de servir.
Melhor repensar agora, pois do outro lado da vida o coração dói sem a possibilidade de voltar atrás.
A VIDA PROSSEGUE AGUARDANDO QUE NOS INTERESSEMOS POR ELA... REPENSEMOS.
Autor: Adelvair David