sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

NOVAS ESPERANÇAS





UM FELIZ ANO NOVO CHEIO DE PAZ E ESPERANÇAS PARA TODOS, COM AS BENÇÃOS DE DEUS E A PROTEÇÃO DE JESUS.
QUE SEJA UM ANO REPLETO DE
REALIZAÇÕES NA PRÁTICA DO AMOR E DO BEM.
meu presente para você é o vídeo abaixo, clique e se delicie até o último acorde:

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL


Natal Família

Recados Atualizados para Orkut é no Glimboo!

O NATAL DO SENHOR




ELE NASCEU

Ele nasceu. O seu berço singelo anunciava a lição da simplicidade. A manjedoura fora o local escolhido por Ele, para iniciar a trajetória mais intrigante que se teria notícia percorrendo os séculos porvindouros.

O Seu coração refletiu luzes que iluminou toda a humanidade. A natureza Lhe reverenciou festiva; o esplendor da sua presença neste orbe pôde ser percebido nas longínquas regiões do sistema solar, de onde coros de anjos entoavam cânticos em sua homenagem, pelo sacrifício de deixar as regiões celestes e encarnar em um mundo de dor e sofrimento; afinal, Ele veio ter com aqueles a quem escolhera conduzir ao Pai, e desejou ensinar a lição em nome de Deus, com a própria vida.

Mesmo sabendo que não seria compreendido, aceitou espalhar sementes nos corações ressequidos de alguns, indiferentes de outros e férteis de muitos. Sem demonstrar qualquer superioridade; sem firmar ostentação, Ele, o Rei Supremo, o soberano maior deste mundo, apresentou-se na doce ternura dos braços dos seus pais, Maria e José, iniciando a maior história de amor que o mundo viria conhecer, para perpetuar o Seu ensinamento nas almas de boa vontade.

A mensagem que Jesus ensinou é a do amor universal. Ele não separou o homem por religião, cor, nacionalidade ou outra classificação que seja. Amou a todos indistintamente. Sem sofismas ou teses filosóficas incompreensíveis ensinou lições inesquecíveis como: “perdoar setenta vezes sete vezes”, este é o segredo da felicidade neste mundo de ilusões, pois que, quem não guarda o fel do ressentimento no coração vive em paz; “vá e não peques mais”, anunciando que sempre se pode recomeçar, propondo-se não mais errar, corrigindo a conduta e o sentimento; “ama o teu semelhante como a ti mesmo”, sem qualquer engano de interpretação a lei mais perfeita que já se tem conhecimento em todos os ensinamentos encontrados na humanidade, que será o código que regerá a sociedade do futuro onde não mais encontraremos distonias ou injustiças, porque o homem, aplicando-a será incapaz de fazer mal o seu semelhante, amando-o.

Ele nasceu, e o nosso coração necessita sintonizar com a Sua presença, somente assim entenderemos que o que nos falta, que o que nos angustia, que o que nos limita, que o que nos escraviza, é a falta Dele em nossos corações.

Nós ansiamos por encontrar-te na face sempre presente dos nossos irmãos.

SÊ BENDITO JESUS.
Autor: Adelvair David - publicada no jornal "Folha Noroeste" no dia 24-12-11.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

REFLEXÕES

INSENSATEZ.
Fazer qualquer coisa a qualquer preço pode ser entendido como insensatez.  Capricho que empilha na alma conseqüências de largo curso para serem dissipadas.

Responsável moralmente pelo que faz, o homem tem a consciência a lhe reger as decisões. Perguntado aos espíritos venerandos pelo mestre lionês “Allan Kardec” a respeito de onde estaria escrita a Lei de Deus, eles respondem peremptoriamente: “na consciência”. Mesmo sem conseguir dimensionar-lhe a magnitude, o homem sempre tem idéia mais ou menos justa do que faz.

Existem tais criaturas que movidas por ambição de alguma ordem, faz valer suas idéias. A despeito de qualquer aconselhamento contrário a sua opinião, fazem o que vem à cabeça, não enxergando nada à sua frente a não ser o pódio da ilusória glória, mesmo que diminuta. Prejudicam, porém  não abrem  mão da sua decisão. Se, contrariadas, procuram simpatizantes tão insensatos quanto elas para somarem intenções.

Quase sempre, os insensatos não conseguem
 vislumbrar o bem maior, onde deveriam abrir mão do seu desejo equivocado pelo equilíbrio geral. Agem, muita vez, nas sombras das situações, armam ardis, criam mecanismos ditos “legais” para fazer valer seus intentos.

A insensatez tem dessas coisas, expõem uma doença da alma. É possível visualizar no insensato o déspota do ontem; o oculto tirano doméstico e ou social. Tentam hoje, sem o mesmo poder, estrangular a ordem das coisas em total desrespeito ao pensamento e sentimento dos outros.

Necessário ao homem, para não cair na armadilha da insensatez, acelerar a sua renovação. A busca do conhecimento espiritual; a convivência com outras criaturas de melhores valores e pensamentos; a adoção de novos hábitos, principalmente aqueles que visem proporcionar maior conforto ao semelhante, tendem a desbastar a dureza dos interesses menores, desvelando um estado de alma de maior ternura e paz, aquietando anseios inferiores. Há quem acredite que deixando algo no mundo das formas irá perpetuar-se na memória futura. Houve grandes que se tornaram pequenos e pequenos, como o “povorello de Assis”, que são verdadeiros gigantes inesquecíveis e, após séculos, permanecem no coração de todos.

Para que as coisas não fiquem só nas aparências, repreendeu ensinando, o mestre Jesus: “Vós, fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas o vosso interior está cheio de rapina e perversidade. Insensatos! Quem fez o exterior não é o mesmo que fez o interior?”.

Agindo como “Ele” ensinou a CONSCIÊNCIA TRANQUILA NOS POSSILIBITARÁ SOSSEGO NA ALMA.
Autor da mensagem:Adelvair David - publicada no jornal "Folha Noroeste" - Jales,SP em 11-12-11 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

REFLEXÕES


CONHECENDO-SE

Nestes tempos de grande competitividade, o homem busca avidamente preparar-se em todos os campos onde o seu intelecto é chamado.

A conquista de títulos é cada vez mais uma necessidade. Aperfeiçoar-se é urgência de tantos quantos desejam diferenciar-se dos seus demais para deter a maior fatia da clientela humana desejosa de especialistas e conhecedores, dos que esmiúçam a problemática apresentando soluções concretas e certeiras. Porém, todo este esforço de intelectualizar-se é motivado, na maioria das vezes, por interesses puramente materiais e imediatos. Amontoar recursos passou ser a palavra de ordem almejando prevenir um futuro farto, cheio de regalias que possa dar segurança e tranquilidade material. Rogou o mestre querido ao homem meditasse: “a vida de qualquer um não consiste na abundância do que possui”.

O que não se pode esquecer é que se o título não for produto comprado ao peso de vergonhosa e corrupta ação, ele é valioso para a formação intelectiva do homem e sua conquista não pode oferecer mais do que satisfação, gozo exterior, conforto passageiro, para logo surgir nova necessidade podendo transformar–se em vício insaciável, extremando-se nos estapafúrdios e esdrúxulos caprichos que, de tão exóticos expõem os seus detentores a lamentáveis ridículos.

Indaga-se o homem por vezes sem resposta: o que me falta? Para logo responder-se: tenho tudo! Acostumado a olhar para fora, para o que os seus olhos e sentidos podem abranger, se fia apenas nas suas representações, esquecendo-se que o que é real não se pode ver; está dentro de cada um. Surpreendido em solidão ou em ato inesperado e infeliz, apavora-se sem entender de onde provém a força que o impele ao descontrole das emoções. A falta de espiritualidade o prende ao mundo das formas. Disse Jesus: “ninguém pode servir a dois senhores”.

Quando interior e exterior estão harmonizados, pode-se dizer que a vida tem sentido e que o homem está atendendo a sua finalidade maior, que é a de progredir para ser feliz. A vida corrida e a inversão de valores sociais não o estimulam a investigar-se, impedindo o saudável hábito de se ver por dentro; o objetivo é o autoconhecimento. Quando se sabe o que se passa no íntimo é possível tomar-se providências no sentido de reforçar o que é bom e corrigir o que é ruim.

Um breve momento por dia em horário neutro pode propiciar esta investigação, que é apenas contemplativa e não acusatória, é só para que se possa identificar o que necessário ser mudado e ou melhorado, para que a pessoa não seja surpreendida em sofrimentos desnecessários ou deixando de realizar o que lhe poderia trazer muita alegria. Colocar-se confortavelmente sentado e em silêncio em ambiente tranquilo; perguntar-se, objetivando ouvir na acústica da alma: “o que necessito mudar ou melhorar para caminhar em paz? Aguardar alguns minutos e encerrar o procedimento se nada surgir, para recomeçar no outro dia; insistindo certamente a resposta aparecerá. Passa-se assim para a segunda e ultima etapa que é a de rogar auxílio para a solução: “o que devo fazer para atender a esta necessidade?” Depois de algumas tentativas a resposta será clara; quando a pessoa se dispuser a aceitar o conselho que será veiculado ele virá dos próprios arquivos espirituais ou pela permissão divina através de um dos seus mensageiros; aí, é esforçar-se para colocar em prática.

Quem medita, reconhece-se e muda para melhor.

A PAZ E A HARMONIA É POSSÍVEL MESMO EM MEIO AO TUMULTO DA VIDA MODERNA, SE CONHECERMOS NOSSOS LIMITES E POTENCIALIDADES.
Autor da mensagem: Adelvair David - publicada no Jornal "Folha Noroeste" em 24-11-11