domingo, 31 de julho de 2011

REFLEXÕES


COMO ELE AMOU
Conviver com o outro pode ser atividade complexa; móvel de muitos desafios que vão aparecendo à medida que avança no tempo a relação humana.
É comum ouvir-se dizer: “você é muito difícil”;  pensamento muito natural naquele que sinceramente deseja o melhor para os outros, ou em quem de alguma forma se sente atingido em seus interesses pelo comportamento nada recomendável da natureza alheia.
Compreendemos que, quando rotulamos os outros na convivência é porque nos faltam recursos íntimos para amá-los sem exigir-lhes reciprocidade ou compensação. Ofendidos, diminuídos pelo que não possuímos em plenitude para dar, nos atemorizamos e queremos desistir das vidas que nos compartilham os passos na terra.
Devemos nos lembrar que ninguém muda ninguém. Somente a própria pessoa pode fazê-lo, se compreender que deve e se sentir que está perdendo em permanecer como é.
Nem por isso deverá o ser humano desistir moralmente do outro. Pode-se continuar aconselhando, ensinando, exemplificando, mesmo que a semeadura aparente não estar tendo resultado positivo algum. Este aprendizado permanecerá para sempre gravado na sua consciência e um dia, aqui ou em outro lugar na vida espiritual servirá de ponto de partida para o recomeço, para a tomada de consciência. Nenhum benefício se perde ou fica esquecido; aguardará momento oportuno para fazer o seu papel modelador do caráter, da moral e dos sentimentos.
É melhor continuar investindo e acreditando na melhoria do outro, mesmo que esta empreitada seja para uma vida toda. Quem auxilia os dificultosos, trata as próprias feridas da alma e tem a oportunidade de corrigir o passado, preparando um futuro melhor. Quando o sofrimento atingir o seu ápice, o espírito que não optou por amar recordará as lições aprendidas, os esforços do amor de alguém e sentir-se-á motivado a recomeçar em bases mais seguras. Estes óbolos são ofertas inesquecíveis de quem não desistiu de continuar amando.
Recordemos o divino Mestre: “[...] como eu vos amei.”
COMO ELE, TAMBÉM NÓS NOS ESFORCEMOS POR AMAR INCONDICIONAMENTE.
Autor: Adelvair David - mensagem publicada no jornal "Folha Noroeste" da cidade de Jales-SP, em 30 de julho de 2011.

Nenhum comentário: