terça-feira, 21 de junho de 2011

PALESTRA ESPÍRITA

Convidamos os irmãos para uma palestra com o orador ISMAEL BATISTA  da cidade de Guaxupé-MG.
Ismael com sua mensagem otimista nos remete a reflexões estimuladoras de enobrecimento moral; vale a pena ouvir nosso irmão.
Será no Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
DIA 26 DE JUNHO DE JUNHO as 19h30min
Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu - Jales,SP
contato: 17- 3632.9983 (Jane)
PARTICIPE CONOSCO DESTE MOMENTO FELIZ

segunda-feira, 20 de junho de 2011

REFLEXÕES

EU O VI
Eu o vi, disse Maria de Madalena ao retornar do sepulcro onde deveria estar o corpo de Jesus.
Muito cedo, seguiu Ela, sem se preocupar com o que poderia lhe acontecer, com o firme propósito de visitar o local para levar os seus sentimentos e homenagem ao venerando mestre que ela vira sofrer e morrer.
Os discípulos, temerosos, escondiam-se naquele momento, estavam feridos profundamente com a partida de forma tão dolorosa do amigo que lhes falara tantas vezes sobre o amor e os amara profundamente;  Maria também sofria os impositivos da dor e, de forma alguma, desejou ausentar-se do Raboni; não considerando qualquer represália seguiu o seu coração e fora buscar o local do sepulcro administrando as lágrimas, porém, sem deserção,  para louvá-lo na lembrança com o seu amor, encontrando-o então, vivo, no outro plano da vida.
Diante dos enfrentamentos da vida somos convidados a dar também testemunho ante os cometimentos que nos acodem; quanto mais cedo nos levantarmos moralmente para a busca da educação espiritual, ou seja, do aprendizado dos verdadeiros valores da vida, ensinados por Ele, mais cedo também encontraremos resolução dos problemas que nos são apresentados pela vida, verdadeiros desafios de crescimento e desenvolvimento das potencialidades de espíritos eternos que somos a caminho da angelitude.
Qualquer dúvida é um movimento na direção da reflexão; o espírito sensibilizado pelo desejo de amar meditará aconselhando-se no Evangelho, mesmo que tentado a fazer o que não deve, encontrar-se-á fortalecido para resistir, escolher e optar pela ação mais nobre e apropriada. As provas da vida e os seus impositivos não devem motivar a fuga para os esconderijos interiores ou exteriores; nem sempre a saída fácil é a mais digna; pode confortar no momento e trazer dissabores em futuro próximo ou mais distante; senão aqui, na vida material, mas com certeza no mundo espiritual no encontro com a própria consciência.
Aprendamos com Maria de Madalena; quanto mais cedo buscarmos nos aproximar D´Ele, sem medo de optar por este caminho, tão cedo encontraremos paz de consciência e alegria de viver, embora enfrentando dificuldades, porque certos de que a vida nos situará sempre nos campos da misericórdia divina, porém habitando as nossas próprias construções, das quais não teremos de quem lamentar.
EU O VI, DISSE ELA; TAMBÉM NÓS O VEREMOS REFLETIDO NAS TELAS DAS AÇÕES GENEROSAS COMO ELE NOS ENSINOU, AMANDO.

Autor da mensagem: Adelvair David - publicada no Jornal "Folha Noroeste no dia 16-06-11

quarta-feira, 15 de junho de 2011

PALESTRA NO MARIA DOLORES

CONVIDAMOS A TODOS PARA UMA PALESTRA ESPÍRITA COM
ALCIONE PEIXOTO
será no Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores
dia 19 de junho de 2011 as 19h30min
endereço: Rua 19, nº 768, Bairro S. Judas Tadeu, Jales-SP
informações: fone 17 - 3632.9983 (Jane)
Filha de Francisco Peixoto Lins (Peixotinho) e de Benedita Vieira Peixoto (Baby). É sexta dos nove filhos do casal. Morou em várias cidades na sua infância, foi morar em Cabo Frio em 1980, e desde 1989 residindo em Campos dos Goytacazes/RJ. É atriz e professora graduada em Língua Portuguesa e Literatura. Como profissional dedicou-se à Educação Popular e à Arte-Educação desde 1968, época em que a educação ainda não inserira, em prática pedagógica rotineira, os benefícios da música, do teatro, dança etc., para melhor fixação dos conteúdos. Mais recentemente, atuou na Escola Pública do Estado como professora de artes cênicas. Evangelizadora desde a adolescência, ainda hoje estudiosa do Evangelho de Jesus. Atua também como expositora da Doutrina Espírita e colaboradora da Revista Espírita de Campos. É escritora, tendo publicado pela Editora Doxa, os livros "A Mulher no Evangelho" e "Evangelho: Conversão e Cura". Em 2007, lançou seu mais recente trabalho pela Itapuã Editora Gráfica: "Mudança de Hábitos".

domingo, 5 de junho de 2011

REFLEXÕES


PAIXÃO, TRANSE DOLOROSO

As paixões humanas são confortáveis estados d´alma substituindo a razão, determinando comportamentos. 
Constituem doce atrativo; inebriante estado de espírito está perfeitamente adaptada à natureza humana entretendo-lhe os apetites, nem sempre recomendáveis, pois que desencadeiam ações de consequências imprevisíveis.
A paixão é o fogo que se acende impulsionado pelos instintos que fazem o “Ser” se comportar de maneira automática, como se fora acionado por um controle remoto, sem se dar conta do bem ou do mal que possa advir, entregando-se de corpo e alma a viver o seu desejo. Tem-se apaixonado por pessoas, coisas e situações; aquele que por ela é tomado, carece de poder de discernimento e os seus julgamentos ficam prejudicados pela força do que há de mais grosseiro em sua natureza.
O movimento que a paixão realiza n’alma é semelhante ao de um barco que desliza em águas estranhas, onde a pessoa anestesiada em seu senso deixa-se conduzir como se sonolenta estivesse; embalada pela sonoridade da insensatez, sem se aperceber que existe um ruído anunciando voraz cachoeira, que não tardará em tragá-la para o mergulho fatal nos rochedos da dor e dos constrangimentos.
Encontramos uma humanidade permissiva em relação às suas paixões, vivenciando estados de ilusória alegria, contentando-se com sensações propiciadas por coisas e situações que passam e não oferecem nada duradouro; é o homem das experiências fugidias que quer sorver apenas, sem se preocupar se o que está lhe penetrando o íntimo é bom ou venenoso.
Contra as paixões que arrastam, é necessário construir novas disposições interiores, novos valores, novos sentimentos, para que, o amor que é eterno tome o lugar das sensações que são passageiras.
Aprendamos com o mestre Jesus, quando orientou-nos contra os apetites apaixonados da alma: [...] vá e não peques mais [...]. Melhor que não! Mas caso seja necessário que sejamos acordados do transe da paixão em maio a luta moral dolorosa, busquemos os necessitados de toda ordem para lhes dedicar atenção verdadeira; a luz do bem costuma iluminar a mente e o coração, protegendo-os das investidas dos hábitos viciosos que dormitam em nossa natureza.
SÓ O AMOR DEVE SER A PRÁTICA USUAL DA ALMA, PREVENINDO-NOS CONTRA AS PAIXÕES DISSOLVENTES.
Autor: Adelvair David - mensagem publicada no Jornal Folha Noroeste da cidade de Jales-SP, no dia 04-06-2011.