segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

EVITA O CARNAVAL BUSCANDO A VERDADEIRA ALEGRIA


ALEGRIA SEM BALBÚRDIA
A alegria é manifestação da alma.
Retirando-o da languidez, a alegria repousa o homem em um estado de contentamento que se assemelha aos movimentos singelos da natureza. Embala o seu coração como a brisa fresca da manhã sacode as plantículas floridas para acordá-las com o beijo caloroso do sol.
Porém, confundido pelo estado eufórico, o homem julga estar alegre quando embriagado por emoções extremas e anestesiantes da moral; confere-lhe êxtase temporário para mergulhá-lo em seguida em fosso profundo e escuro, onde a culpa e o eco ensurdecedor do desvario, consomem-lhe as energias em estados depressivos inenarráveis. Jamais a balbúrdia das festas permissivas poderá conceder alegria a alguém; a contagiante expressão pública do “vale tudo” deixa vazio o coração e uma fome de novos prazeres temporários que nunca serão saciados.
Extremando-se na irresponsabilidade alguns humanos alegam direitos bradando vontades, sem se dar conta que, enquanto se fartam da falsa alegria consomem-se moralmente.
Importante refletir acerca dos convites à satisfação apenas dos sentidos com prejuízo à realidade espiritual. Os vícios de toda ordem sempre estarão ligados aos comportamentos pseudo-alegres; pessoas tristes, porém orgulhosas, que aparentam felicidade para angariar admiradores e bajuladores. A maioria daqueles que lhes veneram os hábitos os desconhecem na intimidade; não veem quando dormem entorpecidos pelos fármacos do sono e muito menos lhes testemunham o amanhecer de alma amarrotada e melancólica, pela vida sem cor e sem objetivo superior.
Necessário cultivar a alegria no clima da responsabilidade existencial; treinar bons sentimentos na insubstituível satisfação de fazer o bem a alguém. Educar os impulsos no arado do amor que sulca a terra dos corações necessitados, assim, gastando as energias que alimentam os excessos e autorizam a insânia. Não pode haver festa maior que a de ver um sorriso em um rosto sofrido que antes só chorava. Ao levantar-se pela manhã, o homem treinante do equilíbrio, desperta sob os apelos do astro rei, cuja silenciosa canção da luz que dele emana, relembram-lhe o compromissos do dia a serem celebrados nas mãos e mentes ocupadas nos elevados propósitos.
ABRE A TUA ALMA EM MANIFESTO DE SILENCIOSA ALEGRIA, E SEM ALARDE, APRESENTA A PAZ QUE O TEU PEITO CARREGA.
Autor: Adelvair David

domingo, 27 de fevereiro de 2011

REFLEXÕES


O ÓBICE E O PROGRESSO
O progresso humano é fato. Seu estudo preenche as ilações de pensadores de todos os tempos, em especial os dos tempos modernos.
Conclui-se, que há homens mais predispostos à sua busca que outros; que lhe anseiam avidamente, enquanto alguns lhe recusam e ainda desejam colocar-lhe óbice.
O progresso em todos os sentidos é Lei divina; ninguém pode subtrair-se a ele e todos estão sujeitos aos seus impositivos. Sendo Lei natural, segue um incessante e fascinante movimento levando tudo e todos ao aperfeiçoamento, com destino à perfeição.
No que tange à realidade do homem, na caminhada moral, espiritual e intelectual, ele, a seu turno, deve colaborar com a Lei divina; enquanto avança, auxilia o crescimento de outros também.
O progresso intelectual segue célere, enquanto o moral caminha mais lentamente; este último depende da decisão do homem em querer mudar seus hábitos, erradicar seus vícios e tomar atitudes benévolas em relação ao seu semelhante. Neste sentido, a caridade tem papel importante, sendo ela anunciadora de tempos melhores enquanto suaviza o sentimento humano e torna mais felizes aqueles que lhe aceitam o convite; afinal, na família humana, todos são filhos e irmãos sem consanguinidade, mas sim, corações que se aninharam neste planeta sob a tutela de Jesus para a busca do aprendizado e da resolução de suas pendências passadas, preparando-se para o futuro em moradas mais ditosas. Disse-nos o mestre amorável: “há muitas moradas na casa do Pai”, o que compreendemos serem os vários mundos semeados no canteiro universal, salpicado pelos confins longínquos, onde a vida se repete exuberante e bela, protegida e estimulada pelo amor de Deus que a ninguém desampara.
É dever inadiável de cada um colaborar com o progresso, auxiliando a melhorar o mundo e a si mesmo; aquele que em rebeldia opta pela inércia, será estimulado por outros mecanismos da Lei natural; os desafios de toda ordem surgem como agente divino a colocar-lhe em marcha. Ninguém obstará o progresso, pois o criador estabeleceu que a perfeição é destino de tudo e de todos.
Aproveitemos a vida empregando bem o tempo no aprendizado intelectual e no desenvolvimento das faculdades do coração. Viver é expandir-se em todas as direções, excetuando-se as de caráter enganosos. Cada um terá como herança em si mesmo o que construiu, não do que desfrutou. O amor é um instrumento valioso de progresso.
QUEM AMA, FELICITADO PELO PRÓPRIO AMOR QUE DEU PERMANECE ABENÇOADO.

Autor da mensagem: Adelvair David - publicada no Jornal "Folha Noroeste" da cidade de Jales-SP.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

REFLEXÕES


O QUE É CERTO

As realizações humanas estão naturalmente vinculadas à lei de consequências moral e material.
Tudo o que se faz repercute na vida do autor gravando os efeitos na consciência, que trata imediatamente de fazer a aferição segundo os valores de cada um. Conhecimento material, espiritual ou de qualquer corrente elevada de pensamento, é bagagem, quando estruturado em bases amorosas, servindo de orientação para as decisões a serem tomadas sempre.
Há muitos desafios a serem enfrentados em todos os campos de vivência da criatura. Os há, ainda muito mais, no mundo íntimo, onde em ambiente de solidão, e sem ser solitário, o espírito encontra-se desnudo das conveniências criadas para a convivência social. Ali é onde toma decisão de como vai proceder.
Fazer o que é certo agir conforme os princípios de retidão e cumprimentos do dever, é tarefa confusa diante de tantos convites e tantas facilidades para se buscar os caminhos mais curtos, errados, nada honrosos; sentindo-se aturdido ante o barulho ensurdecedor da insânia popular, embriagado pela ideia de obter vantagens, mesmo que ilícitas, o homem segue fazendo o que quer, porém, experimentando conflito de toda ordem.
As leis divinas são perfeitas; seus princípios, estabelecidos por Deus são imutáveis; impotente o homem para mudar-lhe a essência, só lhe resta submeter-se a elas, se deseja o seu progresso moral, espiritual. Ao transgredi-las, sofre-lhe o efeito na direta relação do que deu.
Se o criador fez suas Leis perfeitas, deixou ao homem que fizesse as suas, fruto das suas observações e necessidades que foram se modificando com os tempos, adequando-se ao progresso; com o aperfeiçoamento do sentimento o ser humano abandonou costumes, alguns deles hoje, considerados bárbaros, ficaram esquecidos nas páginas da história da humanidade.
Cumprir a lei divina é tomar consciência dos ensinamentos do mestre Jesus; suas orientações são roteiro de felicidade e progresso para as relações humanas na terra, porque está em consonância com as leis de Deus, baseada no mais puro amor. Cumprir as leis dos homens é dever que conduz cada criatura à disciplina necessária para aprender o respeito aos direitos dos outros, erradicando-lhe o egoísmo e o orgulho, melhorando significativamente a paz social e do mundo que tanto se almeja nestes tempos.
Aquele que conhece a ambas tem duplo dever; se é alguém que aponta caminhos, além de segui-los deve exemplifica-los, do contrário, é barco sem bússola, mostrando rumos inexistentes, perdido, perde aqueles que o seguem também. No que diz respeito aos interesses, é difícil agir abrindo mão de fazer valer o que se quer; muitos se utilizam para isto de recursos nada recomendáveis; imposição, intimidação, corrupção, deserção são posturas que afrontam a consciência, ferem as leis divinas, compromete a pessoa diante do seu irmão, diante de Deus e prejudica o direito de todos.
Disse Jesus ao doutor da lei: [...] vai e faze tu [...], orientando-nos a que também nós tratemos de fazer sempre a nossa parte no cumprimento dos deveres de toda ordem, para que se algo perdermos do lado de cá, certamente, fazendo o que é correto, muito estaremos ganhando do lado de lá. Acertar na conduta não é somente mostrar honradez, mas, sobretudo, abrir mão de fazer o mal, para que o amor cumpra a tarefa de regenerar a humanidade, a partir de nós.
MESMO SEM TESTEMUNHOS, FAÇA O QUE É DIREITO, PARA QUE A VIDA LHE SORRIA TRAZENDO-LHE SERENIDADE DE CONSCIÊNCIA.

Autor: Adelvair David - publicada no Jornal "Folha Noroeste" da cidade de Jales,SP em 12-01-2011