sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

REFLEXÕES

O QUE SE ESPERA.
A vida humana não é o produto de fatos desconexos que se projetam no tempo.
As leis divinas, eternas e imutáveis são idênticas para todos os seres. Na questão 621 de “O livro dos espíritos”, de Allan Kardec, encontramos a assertiva de que a Lei de Deus está escrita na consciência do homem, levando ao entendimento de que todo ser humano possui noções, mesmo que parciais do que se deve e do que não se deve fazer.
Muitos esperam um ano bom, para o ano que se inicia. Um tempo novo e melhor, cheio de paz, prosperidade, felicidade e realizações é aguardado ansiosamente; é possível que ele se transforme em tudo isto, guardando as proporções do entendimento de cada pessoa, pois, o que é bom para um pode não ser para o outro.
Todo ano é bom; toda a vida é boa, se levarmos em consideração o necessário aprendizado que se deve fazer e as oportunidades disponibilizadas para cada criatura...
Será imprescindível que se avalie não o ano que passou, mas o que foi feito dele; os esforços que foram empreendidos para a superação das dificuldades em mudar hábitos, em assumir o trabalho no bem.
As leis divinas, presentes na consciência do homem precisa ser observada, se o desejo é o de se ter um ano bom; o ano é apenas o tempo que se passa, não acrescenta nem tira nada do homem, este é que vai preenchendo os dias que se passam com o que de melhor lhe apraz, segundo o seu entendimento, e, por conseguinte é o responsável pelos êxitos e conseqüências, não podendo de modo algum transferir fracassos e insucessos para a responsabilidade de outrem. Segundo a lei de causa e efeito, mesmo que haja um “culpado” que lhe tenha trazido um transtorno, cada um atrai para si segundo o que construiu; disse-nos o meio raboni Galileu, o Senhor Jesus: “a cada um segundo as suas obras”.
Adiar processos que aguardam resolução, não é prudente, pior ainda é transferi-los para o novo ano, acreditando pura e simplesmente na sua solução mágica; somos seres em ascensão para Deus, necessitando sempre assumir o controle da nossa vida e fazer a nossa parte, só então o restante ficará por conta do “Pai”.
Ano bom é ano bem aproveitado, onde se experimenta a alegria do merecimento adquirido na luta sem esmorecimento e na confiança em Deus.
O QUE SE ESPERA É NA VERDADE O QUE SE DEVE DAR
.
Autor: Adelvair David - Mensagem publicada no jornal "Folha Noroeste" da cidade de Jales, no dia 16 de janeiro de 2010.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

FESTA DO CACHORRO QUENTE

foto apenas ilustrativa
CONVIDAMOS A TODOS PARA A
FESTA DO CACHORRO QUENTE
DO GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES.
Será no Comboio em Jales-SP, a partir das 20 h neste sábado dia 23/01/10.
Ingressos a venda com os trabalhadores e no local.
VENHA PARTICIPAR CONOSCO E PASSAR UNS MOMENTOS DE ALEGRIA E DESCONTRAÇÃO

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

REFLEXÕES


SERVIR OU RECLAMAR.
Com a justificativa de que não se deve aceitar tudo passivamente, apresentam-se algumas figuras estranhas nas hostes de trabalho em todos os setores da atividade humana com comportamentos nada recomendáveis.
Onde isto é mais ostensivo e com maior notoriedade é no trabalho voluntário, na chamada doação do tempo a algo que gere algum benefício a pessoas ou a instituições beneméritas.
A pessoa começa o trabalho e logo encontra dificuldades no relacionamento com o grupo, empecilhos para realização desta ou daquela tarefa, olhar crítico sobre procedimentos e achismos sobre a forma de dirigir dos responsáveis; reclama de tudo e de todos; sempre tem uma observação ou uma sugestão para mudar esta ou aquela atividade ou pessoa que, considera inadequada; não obtendo êxito, afasta-se contrariada.
Só é verdadeiro bem o que é feito de maneira desinteressada, renunciando-se para auxiliar. Respeitar ambientes, estruturas e procedimentos é sinal de humildade de quem quer colaborar; conviver com as limitações alheias e realizar o trabalho é treinar compreensão; muitos corações nos toleram como somos e fazem grandes esforços para que nos sintamos confortáveis onde estamos.
A reclamação, o azedume revela uma alma despreparada que traz do ontem hábito de mando, de fugas diante dos próprios compromissos de quem não aprendeu a doar-se; quem cobra muito, realiza menos; quem abriga lamentações, perde tempo precioso. Melhor observar o mestre e Senhor, nosso amorável Jesus: “eu não vim para ser servido, mas para servir”.
Importante lembrar que somos todos aprendizes nos caminhos do bem; mesmo aqueles que realizam grandes obras trazem no íntimo suas deficiências; a criatura humana carecerá sempre da boa vontade, se deseja sair dos limites estreitos do egoísmo e do orgulho onde se encontra, para verdadeiramente amar; no amor toda exigência perde o sentido.
Se nos identificamos reclamantes é momento de refletir e aprender com o mestre.
MELHOR SERVIR SEM EXIGÊNCIAS E ENSINAR COM O EXEMPLO.
Autor: Adelvair David - Mensagem publicada no jornal "Folha Noroeste" no dia 09-01-10