segunda-feira, 31 de agosto de 2009

REFLEXÕES

OFENSORES E OFENDIDOS
Na lei do progresso moral e intelectual humano a ofensa aparece como um atraso, produto da imperfeição humana.
Ela acontecerá por vontade, por descuido ou até mesmo sem que se queira; ninguém possui total domínio de sua natureza que possa garantir jamais ofender, causando dissabor até mesmo a quem se ama.
Toda expressão descortês, toda palavra dura é uma ofensa e forte indício de que o orgulho anda prevalecendo sobre os bons sentimentos. É quase regra que quem ofende esquece logo o que fez, porém, quem é ofendido pode guardá-la por uma vida toda, nutrindo mágoa e ressentimento contra quem o ofendeu.
A ofensa dessedenta-se no poço da vaidade de quem acredita não poder jamais ser ofendido e de quem pensa poder ofender atendendo seus propósitos a qualquer custo; incoerência uma tanto quanto a outra, considerando que não somos e nem vivemos entre anjos, em um mundo cheio de imperfeições, onde todos caminham para a auto-iluminação em direção a Deus, aprendendo com as adversidades e desafios desta caminhada.
Importante lembrar que o mestre nazareno a considerou como um óbice ao sentimento maior da fé, quando aconselhou: “(...) se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta”.
A ofensa não é apenas uma transgressão a lei de amor, é um cárcere onde o Ser se coloca do qual só sairá quando mostrar disposição para reconciliar-se com quem ofendeu. Quem ofende imanta-se por laços inquebrantáveis ao ofendido e deverá se deseja prosseguir crescendo, resolver o problema o mais rápido possível, evitando perpetuar os seus efeitos, sofrendo no corpo e no espírito a presença desse mal adiando a sua felicidade.
O ofensor libera-se das amarras que criou através do arrependimento sincero; da imediata iniciativa de pedir perdão; se o outro não possuir grandeza suficiente para perdoar, assumirá sozinho o malefício de não ter perdoado; a mágoa e o ressentimento lhe roubarão a alegria, transformando-o em um ser doente, com desequilíbrios físicos, psíquicos e espirituais de longo curso.
O evangelho é terapia de paz de quem está aprendendo a ser feliz. NÃO SE OFENDA, PERDOA; NÃO OFENDA, SÊ GENTIL.
Autor: Adelvair David - Mensagem publicada na "Folha Noroeste da Cidade de Jales", dia 29 de agosto de 2009.

Nenhum comentário: