domingo, 8 de fevereiro de 2009

ALCOÓLICOS, DEVEMOS SERVÍ-LOS?

Quando nos perguntamos a respeito dos alcoólicos, vem a clássica justificativa de que a doutrina não nos proíbe de nada. Sinto-me a vontade aqui para falar deste assunto, porque como criatura imperfeita que sou, tenho pesquisado e estudado os ensinamentos de Allan Kardec para direcionar minha vida; apresento aqui minhas conclusões.
A doutrina espírita assevera a respeito do livre-arbítrio de cada um de nós orientando como devemos nos portar, assumindo responsabilidades e conseqüências sobre o que fazemos; para tal, se por um lado não estabelece barreiras para as nossas ações, por outro não nos autoriza aos comportamentos menos felizes.
O álcool tem destruído lares, pessoas, transformado em verdadeiros farrapos humanos muitos homens que a ele cedem, os encarcerando em verdadeiro jugo do qual nem sempre conseguem se libertar, portanto, a maior prova de respeito que poderemos dar a alguém é não lhe oferecer meio de queda.
Em qualquer ocasião onde nos compete decidir os benfeitores não nos dizem o que fazer; temos a orientação da doutrina e o bom-senso a nos guiar; fariam esta interferência nos orientando a contrariar princípios morais?, porém, se esta é a forma de pensar do médium, animicamente este poderá fazer valer como verdade o seu próprio parecer, sem a intenção de fazer mal, mas com profundo desconhecimento dos princípios básicos da doutrina.
Na tribuna atestamos que os vícios são perniciosos, mas para conseguir recursos materiais nos contradizemos servindo nós mesmos o produto da perdição de muitos, pelas nossas próprias mãos.
Os fins nunca vão justificar os meios que utilizarmos, se estes não forem absolutamente coerentes com o que conhecemos. O exemplo deve ser o primeiro ensinamento a ofertarmos; a doutrina espírita tem como princípio melhorar o homem; diz o evangelho 1(...)toda religião que não torna o homem melhor, não atinge seu objetivo(...).Para quem acredita ser este pensamento fanatismo, responde o espírito Camilo: 2 (...) se é importante não fanatizar-se pela crença, será bem mais importante que não se deixe fanatizar pelo vício.
Ao servirmos bebida alcoólica na casa espírita ou fora dela e em seu nome, propagamos o vício e fugimos do ideal da doutrina codificada por Kardec, assim compreendemos.
(1)O Evangelho segundo o espiritismo – AP. VIII – item 10
(2)Capítulo 12 – do livro Correnteza de Luz – Psicografia de Raul Teixeira
Adelvair David

4 comentários:

Anônimo disse...

Tomamos conhecimento dos diversos males causados pelo alcool a cada novo dia e, como espíritas que julgamos ser, é totalmente incoerente comercializarmos bebidas deste gênero sob a justificativa de que precisamos arrecadar recursos financeiros para a manutenção de uma obra assistencial ou mesmo de uma casa espírita. "Meus discípulos serão reconhecidos por muitos se amarem", disse JESUS. Devemos nos questionar se exemplificamos o amor ao próximo ao viabilizar a compra de uma droga considerada pelo homem como lícita. Definitivamente, penso que se não queremos este vício em nossos lares, mas não nos importamos em vêlo implantado no lar do próximo, ao contrário das palavras de JESUS, estamos denotando o mais puro EGOÍSMO.
Mas, o que mais me assusta é pensar que, muitos de nós, espíritas, talvez comercializemos alcool porque ainda fazemos uso dele.
Paz e luz.
Edilson Borghi

Marilaine disse...

Querido DAVID!

Como é importante esse assunto e tão pouco comentado entre nós. Concordo plenamente, pois se falamos em AMOR, não poderíamos servir algo danoso à saúde e ao equilíbrio dos lares, e ainda mais em nome da DOUTRINA.
Muita PAZ!

Patricia ALvarenga disse...

Apoio total a essa materia. Tenho exemplo na familia de quanto o alcool é prejudicial.Hoje meu pai paga um alto preço por ter ingerido bebida alcolica.Peço a Deus todos os dias pela sua saude e pela conciência de tantos jovens que estão seguindo o mesmo caminho. Vamos sim...Como bons cristãos seguir e dar o exemplo de Jesus..trabalhar pelo amor ao proximo ensinando e exemplificando os ensinamentos que a doutrina espirita nos ensina. Devemos sim servir ao proximo com a amor e alegria ensinando o verdadeiro valor da vida...

gISLAINE disse...

Querido companheiro
È de grande valia a abordagem deste assunto, diante do contexto psicológico em que se encontra a humanidade em nossa época.Observamos jovens,em tenra idade, expondo-se a ridículos, diante de um dos vícios tão comuns em nossos dias, achar-se donos de si, cometendo atrocidades, fazendo vítimas e sendo vítimas de um "caminho" que o retorno é algo pavoroso e dolorido. Se a DOUTRINA ESPÍRITA é a terceira revelação, falando do AMOR vivido pelo CISTO, então, vivamos o AMOR do MESTRE a cada dia, tentando plantar a PAZ e a harmonia e deixando de lado tudo o que nos leva a sentimentos menos valiosos. Fique com DEUS. Gislaine - Três Fronteias SP