terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

FOTOS DO RETIRO DA MOCIDADE DE FEVEREIRO 2008




A MOCIDADE ESPÍRITA IVAN DE ALBUQUERQUE

DO GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES DE JALES

ESTARÁ REUNIDA MAIS UMA VEZ PARA O TRADICIONAL RETIRO DE CARNAVAL

COMPLETAREMOS 14 ANOS DE RETIRO

JUVENTUDE COM JESUS E KARDEC

DIAS 21, 22, 23 E 24 DE FEVEREIRO



EVANGELIZAR A CRIANÇA É UM ATO DE AMOR

domingo, 15 de fevereiro de 2009

REFLEXÕES

VIDA ABUNDANTE
Eu vim para que tenhas vida, mas vida em abundância
(Jesus)
O que estamos escrevendo no livro de nossas vidas?
Os escritores podem apagar e reescrever uma página quantas vezes desejarem. Com o livro da vida, isto não é possível; cada página escrita é para sempre; cada fato ou situação fica gravado para a eternidade nos registros da consciência. Daí o cuidado com o que se escreve no decorrer da existência.
Pessoas há que, procedem mal com todos por grandes períodos de suas vidas; chegando a enfermidade, a velhice, a situação difícil, ficam surpresas de não serem cuidadas como desejam ou de não receberem carinho e amor; na maioria das vezes precisam até mendigar um pouco de atenção e respeito; sentem-se vitimadas pela desconsideração alheia; o fato é que, embora o mal nunca deva ser pago com o mal... não se colhe onde não se plantou.
Quando uma flecha é lançada não se pode detê-la, mas, com certeza, pode-se curar as feridas abertas por ela. E o que são essas feridas senão as pessoas do convívio, o trabalho profissional, os amigos, os inimigos, os familiares, aqueles que outrora tiveram seus corações lesados ou desrespeitados, como se suas vidas nenhum valor tivesse; há também males que são transportados de uma vida para outra e cada um se vê às voltas com aqueles a quem pelo bem ou pelo mal está atado.
É preciso refletir nas ações. Dizem alguns que quem muito pensa nada faz, porém, quase sempre, quem faz sem pensar, necessitará pensar muito para desfazer o que criou; é a bebida em exagero; a comida além dos limites; o sexo irresponsável; a mentira; a crise de autoridade transgredindo direitos; a perseguição alucinada; é o agir primeiro para ver como fica depois.
Somos vida em construção, seres evolutivamente inacabados, cuja felicidade e êxito dependem exclusivamente do que vamos escrevendo no livro da nossa experiência humana.
“Ele” não disse que nos daria vida, mas que com “Ele”, teríamos vida abundante, sem conseqüências funestas por efeito dos maus procedimentos.
AMA A VIDA, RESPEITANDO-A EM TI E NO OUTRO.
Adelvair David
As nossas singelas matérias, como esta, intitulada REFLEXÕES, são publicadas primeiro, no jornal FOLHA NOROESTE da cidade de Jales-SP

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A PRÁTICA MEDIUNICA ESPÍRITA



Nesta entrevista, Ana Guimarães e Geraldo Guimarães falam a respeito do comportamento mediúnico, esclarecendo o que não é prática espírita.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

ALCOÓLICOS, DEVEMOS SERVÍ-LOS?

Quando nos perguntamos a respeito dos alcoólicos, vem a clássica justificativa de que a doutrina não nos proíbe de nada. Sinto-me a vontade aqui para falar deste assunto, porque como criatura imperfeita que sou, tenho pesquisado e estudado os ensinamentos de Allan Kardec para direcionar minha vida; apresento aqui minhas conclusões.
A doutrina espírita assevera a respeito do livre-arbítrio de cada um de nós orientando como devemos nos portar, assumindo responsabilidades e conseqüências sobre o que fazemos; para tal, se por um lado não estabelece barreiras para as nossas ações, por outro não nos autoriza aos comportamentos menos felizes.
O álcool tem destruído lares, pessoas, transformado em verdadeiros farrapos humanos muitos homens que a ele cedem, os encarcerando em verdadeiro jugo do qual nem sempre conseguem se libertar, portanto, a maior prova de respeito que poderemos dar a alguém é não lhe oferecer meio de queda.
Em qualquer ocasião onde nos compete decidir os benfeitores não nos dizem o que fazer; temos a orientação da doutrina e o bom-senso a nos guiar; fariam esta interferência nos orientando a contrariar princípios morais?, porém, se esta é a forma de pensar do médium, animicamente este poderá fazer valer como verdade o seu próprio parecer, sem a intenção de fazer mal, mas com profundo desconhecimento dos princípios básicos da doutrina.
Na tribuna atestamos que os vícios são perniciosos, mas para conseguir recursos materiais nos contradizemos servindo nós mesmos o produto da perdição de muitos, pelas nossas próprias mãos.
Os fins nunca vão justificar os meios que utilizarmos, se estes não forem absolutamente coerentes com o que conhecemos. O exemplo deve ser o primeiro ensinamento a ofertarmos; a doutrina espírita tem como princípio melhorar o homem; diz o evangelho 1(...)toda religião que não torna o homem melhor, não atinge seu objetivo(...).Para quem acredita ser este pensamento fanatismo, responde o espírito Camilo: 2 (...) se é importante não fanatizar-se pela crença, será bem mais importante que não se deixe fanatizar pelo vício.
Ao servirmos bebida alcoólica na casa espírita ou fora dela e em seu nome, propagamos o vício e fugimos do ideal da doutrina codificada por Kardec, assim compreendemos.
(1)O Evangelho segundo o espiritismo – AP. VIII – item 10
(2)Capítulo 12 – do livro Correnteza de Luz – Psicografia de Raul Teixeira
Adelvair David

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

1º ENCONTRO DE EVANGELIZADORES, PAIS E EDUCADORES ESPÍRITAS

Dias 21 e 22 de Março de 2009
Tema:
Práticas Pedagógicas na Educação Infanto Juvenil
Expositor: Walter De Oliveira Alves
Pedagogo e professor de psicologia da
educação, filosofia da educação e
didática, autor de vários livros voltados principalmente a pedagogia espírita,
como “Educação do Espírito — Introdução à Pedagogia Espírita”.
LOCAL: Instituição Beneficente Benedita Fernandes, Localizado na Rua Augusto Lopes, 1572 Jd. Municipal - Próximo ao Aeroporto ( local conhecido também como Casa da Sopa)
Informações ligue:
017 3632-5151 (Marisa)
017 3651-1776 (Cidinha) ou pelo e-mail: marisamasocatto@hotmail.com
REALIZAÇÃO: USE-JALES

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

REFLEXÕES

VIRTUOSOS
Observamos que todos os ensinamentos de Jesus convergem para o mais puro amor.
Este amor exemplificado por Ele em toda a sua abrangência, que suavizou o coração dos endurecidos, encheu de alegria a alma dos sofredores e fez estremecer as entranhas daqueles que desejavam manter interesses mesquinhos e criminosos.
Estamos distante de compreendê-lo e aplicá-lo como Ele ensinou; somente através das virtudes o nosso coração poderá penetrar este sagrado mundo do amor, que inspirou mártires a abraçarem causas sacrificiais pelo bem da humanidade.
Acreditava-se que a virtude era uma concessão divina, privilégio de escolhidos para dela fazerem uso no mundo. Mas, a virtude compreendemos, é uma conquista; é o progresso do espírito na senda do bem, cujo meio para adquiri-la é o trabalho incessante no bem; incansável dedicação ao semelhante; quem assim se comporta, estrutura virtude n´alma; esta lhe sustentará e lhe guiará os passos pela eternidade, nas sucessivas vidas onde construirá a própria felicidade até a angelitude.
Diz-se que o homem inteligente, versátil é virtuoso, porém, somente o é aquele que se elevou acima das paixões humanas, que edificou sentimentos que lhe permitam viver despojado dos artifícios sociais, da bajulação, dos aplausos, das glórias, dos vícios escravizantes; é aquele que faz o bem pelo bem, sem nenhuma necessidade de reconhecimento ou retorno.
Agora, mais do que nunca, a humanidade é convidada a percorrer o caminho das virtudes, conquistando-as para garantir a própria serenidade, equilíbrio e a verdadeira realização, a moral.
É no sorriso de quem antes chorava que encontraremos refúgio e alento para nossas próprias dores. SEJAMOS VIRTUOSOS, PELA NECESSIDADE DE AMAR.
Adelvair David

O ESPÍRITA E O CARNAVAL


Em alto e bom som para todos os ouvidos diz a música... Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu.
Isto não é bem toda a verdade. Atrás do trio elétrico vai também uma multidão de invisíveis e bem vivos, são espíritos arroaceiros, desocupados, zombeteiros, inconseqüentes e brincalhões; ainda presos às paixões humanas se aproveitam das festas onde os excessos de toda ordem permitem a exteriorização de comportamentos nada recomendáveis como alcoólicos, fumo, drogas, sexo, violência e outros disparates.
Há quem diga que ali vai apenas para festejar, se alegrar, porém, ninguém há que passando por um lamaçal dele saia sem se sujar. O ser humano não está isento de paixões inferiores ostensivas ou discretas e estes festejos – se é que se pode definir assim - oferecem sintonia ideal para tê-las estimuladas; se sabe como se entra nestes ambientes conturbados, mas não se sabe como se sai dele; ninguém pode garantir-se em se tratando de tal comportamento; na terra nos nivelamos em humanidade sob os mesmos aspectos morais; uns mais outros menos, mas sofremos todos das mesmas deficiências. Melhor não arriscar.
Conhecedor da realidade nos dois planos da vida, o espírita necessita considerar o alerta de André Luiz: “A verdadeira alegria não foge da temperança”. (1)
(1) Do livro Conduta Espírita, Psicografia de Waldo Vieira
Adelvair David