segunda-feira, 24 de novembro de 2008

REFLEXÕES

DESEJO SEGURO
(1) Não basta que dos lábios gotejem leite e mel; se o coração nada tem com isso”(...)
Emergindo das entranhas do Ser, o desejo é força que mobiliza o espírito para a ação.
Atraído pelas inebriantes sensações dos sentidos, lamentam alguns as enrascadas ou problemas por onde se embrenharam, atendendo ao infrene desejo do prazer, mesmo que fugidio, que parecia ser impossível resistir.
O conteúdo emocional de cada pessoa está estruturado nos Seus sentimentos; se elevados e nobres, ações ponderadas e equilibradas; se inferiores, ações comprometedoras de graves conseqüências.
Parecer não é “ser”. Acreditar no personagem criado é cair na própria armadilha. Aquele que “é”, o será sob qualquer circunstância, sem esforço agirá com a energia do sentimento que lhe rege a vida. Aparentar bondade fazendo-lhe apologia é perigosa viagem; é descida em encosta lodosa quase sem possibilidade de retorno. Convites ou comportamentos podem parecer simples a princípio, ganho fácil, experiência tentadora, sucesso sem esforço, projeção pública imediata...
Uma vida construída sobre o frisson das emoções e ao abrigo dos desejos pode ruir a qualquer momento; ganhar sob tais circunstâncias é trocar em determinados aspectos a segurança na simplicidade para viver o resto da vida na amargura. A deserção dos princípios melhores não vale o pódio sedutor. Edificar sem engano, só sobre a rocha da dignidade para consigo e com os outros, única que resistirá aos naturais desafios e intempéries da existência. Melhor atender ao conselho do Mestre Nazareno: “todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha”...).
Para assegurar-se contra os equívocos dos desejos, convém buscar-Lhe os ensinamentos, rota inequívoca para quem quer chegar a lugar seguro, a salvo das derrocadas morais e materiais.
O desejo seguro é aquele disciplinado pela reta moral e pela razão.
SÓ HÁ DESCANSO NA PAZ DA CONSCIÊNCIA.
(1)O Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. 09, item 06)
Adelvair David

Um comentário:

Patricia Alvarenga disse...

Tudo que fazemos temos sempre que desenvolver sentimentos em volta.
O problema é que podemos enganar as pessoas e a nós mesmos por fora;mas por dentro, os sentimentos guardados no fundo do coração..ESSES É IMPOSSIVEL DE SEREM SABOTADOS!!!!