sexta-feira, 17 de outubro de 2008

REFLEXÕES

DESENCANTO
Encantado! Quem nunca ouviu esta expressão por aí? Tal experiência pode parecer prazerosa a princípio, porém, não raro se pode ver um grande número de criaturas se entregarem como que por encanto, sem raciocínio às pessoas, negócios, passeios e outras situações.
Este sentimento acomoda-se muito bem à necessidade de se acreditar que a vida tem sempre uma solução mágica para tudo; descobre-se depois que a princesa ou o príncipe encantado, é pessoa comum, com defeitos e tendências em transformação; que o negócio maravilhoso, na hora do prejuízo, não parece tão excepcional assim; que o pacote de viagem miraculoso, se mostra profundamente aborrecedor. Um pouco de prudência e melhor análise, possivelmente teria evitado o mergulho no problema.
A vida tem o remédio para o incauto que cede encantado ao primeiro impulso, não desejando fazer esforços para participar ativamente das decisões e escolhas da sua vida, como se as suas vontades pudessem ser resolvidas como num conto de fada. O desencanto é antídoto que devolve lucidez à razão, através de dissabores e desconfortos no sentimento, no bolso e na moral.
Desencanta-se quem colocou expectativas emocionais além da prudência nas suas decisões. Aquele que investe observando os seus sentimentos, os alertas da consciência, o conselho de quem tem bom senso, que recorre à oração, mesmo que perca alguma coisa, não se infelicitará, tendo a certeza que fez o melhor por si mesmo, não carregando consciência de culpa.
Disse-nos Jesus: “Brilhe a vossa luz”; cabe o dever a cada um de utilizar a própria luz para solucionar as questões existenciais, sem permitir que os interesses mesquinhos ou da credulidade tendenciosa, presentes na intimidade venham encantá-lo, perdendo-se.
É importante lembrar que a bagagem para ver claro é aprendizado efetuado nas muitas vidas onde o espírito eterno transitou, cujas experiências aguardam solução de continuidade; é preciso confiar-se a Deus e buscar a edificação ético-moral, porque a vida trará de volta as construções de cada um.
PARTICIPE DA VIDA AMANDO E NÃO ENCANTADO.

Adelvair David

Um comentário:

Edilson Borghi disse...

Sábias palavras que deveríamos usar para nortear nossas decisões e frear nossos impulsos impensados, pois muitas vezes são estes momentos de excitação e "encanto" que, transformados em desencantos, nos levam direto às portas da depressão.
Grande abraço.
Edilson Borghi