terça-feira, 30 de setembro de 2008

REFLEXÕES

DISPONIBILIDADE PARA O BEM

Nem sempre ao manifestar o desejo do bem, existirá da parte de quem assim pense as ações que representem a intenção.
A disponibilidade para tal comportamento, esbarra no receio, e em uma série de prevenções nascidas na observação das atitudes dos outros.
É possível que os mal intencionados os que se arvoram como benfeitores sociais, mas que na verdade são espoliadores da dignidade e da confiança alheia, tenham colaborado para que o clima de descrédito se lhes instalasse na alma.
Outras vezes, a falta de confiança em si mesmo, quando não se acredita poder realizar algo de bom, permite adormecer em muitos o ímpeto de se tornar útil ao seu semelhante; Também temos aqui a posição de quem vai receber que olha com menosprezo e dúvida o auxílio, por ter colhido decepções e enganos ao se submeteram.
Seja como for, nem sempre é simples estar disponível para o serviço do bem ao próximo; Esta postura demanda entrega, não apenas do dinheiro, do tempo, dos braços, mas principalmente do sentimento, onde deve nascer o desejo de realizar sem esperar qualquer tipo de retribuição.
Observando o ensinamento do mestre Jesus, encontraremos a medida exata de tal procedimento: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, um amor que segue exemplificando até nossos dias, e o será por toda a eternidade; É o serviço do coração, onde as mãos são a sua extensão, é o sentimento de fraternidade que só pode nascer no espírito daquele que se propõe deixar o comodismo, os achismos, as prevenções para devolver o sentido da vida a quem já não espera mais nada dela.
É imperioso meditarmos na necessidade de nos desdobrarmos em serviço por amor, para que a vida surja gloriosa em toda a Terra, mundo onde as provas e as expiações campeiam por todos os lados, onde a dor é realidade da maioria e a paz rara exceção, sendo projeto de muitos; Somente assim poderemos ter dignidade suficiente para que a consciência nos autorize a receber sem amarguras, o resultado desse trabalho será o nosso próprio crescimento.
Não poderemos ter tranqüilidade de alma enquanto houver lágrimas sendo derramadas em algum lugar deste mundo. Seremos carcomidos no berço da indiferença onde resolvermos nos deitar, sem jamais encontrar descanso, e este só virá, quando os nossos dias se transformarem em tempo disponibilizado ao próximo e o seu bem-estar.
DISPONIBILIZA-TE PARA O BEM

Adelvair David

2 comentários:

Anônimo disse...

MARAVILHOSO!!!
Que bom quando conseguirmoss colocar isto, no coração.

Anônimo disse...

Meu irmão, como é dificil fazer o bem, assim como vc disse "sendo as nossas mãos, como extensão do nosso coração" por que o interesse por mais que não queiramos, ainda, fala mais alto, nos nossos corações imperfeitos. Um grande abraço. gislaine -Três Fronteiras SP.