Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2008

REFLEXÕES

Imagem
DISCURSO “OCO”
Quando dizemos algo, estamos nos propondo revestir de palavras as idéias que desfilam em nossa mente, porém, nem tudo o que pensamos chega aos lábios.
Existe um mundo de intenções, interesses, que não é do conhecimento de quem ouve.
As palavras fluem impregnadas do que está na nossa natureza. Há discurso que convence, que não convence, que impressiona, que emociona, atendendo sempre ao oculto desejo de quem discursa.
Muito mais do que pensamentos, as palavras carregam as energias inerentes aos nossos sentimentos. Quando falamos em honestidade, sendo desonesto, aquele que ouve experimenta um grande desconforto e imediatamente nos repele, porque recebe o termo honestidade, impregnado de desonestidade.
O espírito humano vibra na freqüência dos seus sentimentos. Se os possui ruins, se os nutre, sem o desejo de modificá-los, se toda a sua vida está voltada para as realizações materiais, grande parte do seu conteúdo emocional está comprometido negativamente, logo, tudo o que disse…

JA PAROU PARA PENSAR EM VOCÊ ?

Imagem
VOCÊ QUER CONHECER UM POUCO MAIS DA SUA NATUREZA EMOCIONAL?
GOSTARIA DE CONHECER COM QUAIS SENTIMENTOS VOCÊ TEM SE RELACIONADO COM A VIDA?
O AUTO-CONHECIMENTO TRAZ PLENITUDE E FELICIDADE
Venha aos sábados as 9h à casa de Maria Dolores
Rua 19, 768, Bairro S. Judas Tadeu, estudar-se conosco.
Conhece-te a ti mesmo (Sócrates)

REFLEXÕES

Imagem
A ESPERANÇA É FÉ?
De forma alguma podemos afirmar seguramente que esperança é fé.
O que se convencionou chamar esperança, muitas vezes não passa de “fé-cega”. Crença fundamentada no misticismo, no medo, no desconhecimento; não traz força para os enfrentamentos da existência e conduz a escravidão moral, material e a acomodação diante das lutas, principalmente daquelas que dependem do esforço do indivíduo ou da coletividade.
A ignorância é a mãe de todos os males, oblitera a razão e impede de se ver claro e com discernimento. Poucos se aventuram saber dos reais interesses do que recebem, aceitando passivamente sem questionar, sem meditar, ou mesmo sem verificar a veracidade do que ouvem; aceitam a manipulação e o controle sem escrúpulo de quem faz da fé uma barganha.
A esperança, podendo ser um sinal de fé, não deve ser confundida com a submissão que tira o poder da vontade, o livre-arbítrio para as decisões. Disse-nos o meigo raboni: a cada um segundo as suas obras. Ela não isenta o indiví…